promo
Saúde

Pfizer acusa funcionária de roubar segredos de vacina contra covid

Empregada supostamente teria copiado mais de 12 mil arquivos para uma conta do Google Drive

El logo de la farmacéutica.
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Em um processo federal na Califórnia, a Pfizer Inc. alega que uma “futura ex-funcionária” se apropriou indevidamente de milhares de arquivos, incluindo documentos comerciais confidenciais, relacionados a sua vacina contra a Covid-19.

Chun Xiao (Sherry) Li supostamente teria copiado mais de 12 mil arquivos, incluindo “dezenas” de documentos contendo informações confidenciais, para uma conta do Google Drive, disse a Pfizer em uma queixa apresentada na terça-feira no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Sul da Califórnia.

Os documentos, supostamente, dizem respeito a uma ampla gama de tópicos, incluindo a análise de estudos de vacinas, objetivos operacionais e planos de desenvolvimento de novos medicamentos.

A Pfizer afirmou na queixa que acreditava que Li iria para a Xencor Inc. e que a entregou um laptop para questioná-la sobre os downloads subsequentes das informações.

A Pfizer está buscando uma ordem de restrição temporária para impedir Li de usar, divulgar, transmitir ou alterar qualquer informação confidencial que possui. Também pede que o tribunal ordene que Li forneça aos advogados externos da Pfizer acesso às suas contas pessoais do Google Drive e a todos os seus dispositivos de computação.

“A Pfizer leva muito a sério a proteção de informações sensíveis e confidenciais. Proteger essas informações é fundamental para a inovação científica e, em última análise, nos permite oferecer avanços para os pacientes “, disse um porta-voz da empresa.

Os segredos comerciais são um assunto espinhoso para o debate sobre a quebra de patentes e direitos de propriedade intelectual relacionados à covid. A divulgação de segredos comerciais poderia ajudar fabricantes estrangeiros a produzir versões genéricas das vacinas criadas pela Pfizer, que se manifestou contra a quebra de patentes em tratamentos e vacinas relacionadas à Covid-19.

Li começou a trabalhar para o Grupo de Desenvolvimento de Produto Global da Pfizer na China em 2006 antes de se mudar para a área de San Diego em 2016, de acordo com a queixa. Ela assinou um acordo de confidencialidade como parte de seu contrato de trabalho, disse a Pfizer.

Li não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. Um porta-voz da Xencor observou que a empresa não faz parte do processo e não quis comentar o caso.

Veja mais em bloomberg.com