promo
Mercados

BlackRock: Hora de comprar ações da China e reduzir exposição na Índia

Há uma crença cada vez maior entre os investidores de que as ações chinesas podem se recuperar

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A BlackRock está reduzindo seus investimentos em ações indianas e ficando mais otimista com valuations atraentes na China, em meio às expectativas de que os obstáculos à política econômica serão atenuados no próximo ano.

“Valuations são fundamentais agora”, disse Belinda Boa, chefe de investimentos ativos para a Ásia-Pacífico na maior administradora de ativos do mundo, em um briefing. “Por causa do desempenho superior que vimos na Índia este ano, em uma base relativa, estamos começando a realizar lucros” e nos tornando mais positivos em relação às ações de crescimento chinesas, disse ela.

Depois de uma recuperação mundial, o sentimento sobre as ações indianas azedou devido aos rebaixamentos dos corretores e às preocupações sobre um aperto na liquidez, agravado por um fraco desempenho na maior oferta pública inicial do país. Em contraste, há uma crença cada vez maior entre os investidores de que as ações chinesas podem se recuperar, já que o pior provavelmente já passou no tocante ao escrutínio regulatório de Pequim sobre as empresas privadas.

A BlackRock reformulou suas carteiras com foco na Ásia para ter posições mais neutras na China, após um período de subexposição, e diminuiu a participação das ações de empresas de serviços de Internet em seu portfolio.

“A hora de se posicionar no mercado da China é agora”, disse Lucy Liu, gerente de portfólio de ações de mercados emergentes globais, no mesmo briefing. O crescimento econômico pode surpreender positivamente, com sinais de recuperação para os setores de internet e imobiliário, disse ela.

Os gastos discricionários provavelmente não retornarão aos níveis anteriores à Covid e o aumento dos preços serão moderados, mantendo um controle sobre a inflação, disse Liu. Auxiliado por uma política monetária mais complacente, o ambiente é “mais favorável” para ações de alta rentabilidade na China, segundo a BlackRock, que investe em torno de quatro temas na China - sustentabilidade, autossuficiência, igualdade social e segurança de dados.

O índice NSE Nifty 50 da Índia está sendo negociado a 21 vezes as estimativas de lucros futuros, em comparação com 14 vezes do CSI 300, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Ainda assim, o gestor de ativos com sede em Nova York está otimista quanto à Índia no longo prazo devido às reformas estruturais, o crescimento econômico e um forte fluxo de ofertas de ações. Deve haver um “aumento contínuo de listagens de IPOs”, com oportunidades nos setores de tecnologia e da nova economia da Índia em particular, disse Boa.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Minério avança com apostas de maior produção de aço na China

Bolsas recuam com expectativa de Fed menos brando e Covid na Europa