PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

Nvidia surpreende com forte crescimento na receita e revisão no guidance

Empresa, cujas raízes remontam a chips para jogos, avançou para segmento de processadores que dão suporte a servidores em nuvem

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — As ações da Nvidia Corp., a maior fabricante de chips do mundo em valor de mercado, saltaram até 11% nesta quinta-feira após reportar um terceiro trimestre forte e elevar suas perspectivas de vendas para o resto do ano. No final dos negócios, os papéis terminaram negociados a US$ 316,75, com alta de 8,25%.

A receita no quarto trimestre fiscal será de cerca de US$ 7,4 bilhões, disse a empresa na quarta-feira. Isso se compara com uma estimativa média de analistas de US$ 6,86 bilhões, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

PUBLICIDADE

A Nvidia, cujas raízes remontam a chips gráficos para sistemas de jogos, avançou para o segmento de processadores que dão suporte a servidores - as poderosas máquinas usadas em computação em nuvem e redes corporativas. A receita desse segmento saltou 55% no terceiro trimestre, para US$ 2,94 bilhões, bem à frente dos US$ 2,69 bilhões estimados por analistas. As vendas para a indústria automobilística, porém, foram decepcionantes - prejudicadas por restrições de oferta.

Os analistas consideraram amplamente positivos os resultados, e várias casas de análise aumentaram o preço-alvo das ações, citando o crescimento no data center e nos negócios de jogos da Nvidia como pontos positivos específicos.

“É difícil imaginar as coisas indo de forma mais suave para o NVDA no momento”, escreveram analistas da Bernstein em uma nota aos investidores.

PUBLICIDADE

A Nvidia teve uma média de crescimento de receita de cerca de 57% nos últimos oito trimestres. Esse desempenho ajudou a empurrar sua capitalização de mercado para mais de US$ 730 bilhões, tornando-a mais de três vezes o tamanho da Intel Corp., uma empresa que tem o triplo da receita anual da Nvidia. A Nvidia é agora uma das 10 maiores companhias em valor de mercado no índice S&P 500, colocando-a um pouco à frente da Berkshire Hathaway Inc., JPMorgan Chase & Co. e Visa Inc.

Mesmo antes da alta depois dos resultados, as ações da Nvidia mais do que dobraram o valor este ano.

A Nvidia registrou vendas recordes de US$ 7,1 bilhões no terceiro trimestre fiscal, superando a previsão média de US$ 6,81 bilhões dos analistas. O lucro chegou a US$ 1,17 por ação, excluindo alguns itens, em comparação com uma estimativa de US$ 1,11.

PUBLICIDADE

A Nvidia também vende processadores que lidam com mineração de criptomoedas, mas esse mercado tem estado volátil. A divisão que inclui esse negócio viu sua receita subir 21% em relação ao ano anterior, com US$ 105 milhões em receita proveniente dos chips de mineração.

A empresa vê outra grande oportunidade de ajudar a fortalecer o chamado metaverso - um termo para mundos virtuais interconectados. A empresa possui uma plataforma de software, Omniverse, para a criação de espaços 3D online.

Enquanto isso, a Nvidia está há mais de um ano no processo de tentar adquirir a Arm Ltd., uma empresa designer de chips usados em smartphones e uma miríade de outras tecnologias. Ainda está tentando obter autorização regulatória para o negócio em várias jurisdições ao redor do mundo.

PUBLICIDADE

A Comissão Federal de Comércio dos EUA expressou preocupação sobre a compra, disse a Nvidia na quarta-feira. Bloomberg relatou sobre a investigação da agência no início deste ano.

A transação daria ao CEO da Nvidia, Jensen Huang, a tecnologia subjacente mais amplamente usada na indústria de chips e espalharia o alcance da empresa em muitos dispositivos, incluindo smartphones. Mas vários dos principais clientes da Arm e concorrentes da Nvidia expressaram sua oposição à compra por causa de conflitos em potencial que ela pode criar. O SoftBank Group Corp. atualmente controla a Arm.

A Nvidia disse em sua divulgação de resultados que a fusão aumentaria a competição e descreveu o negócio como uma grande oportunidade para a indústria.

- Com a ajuda de Mark Gurman.

PUBLICIDADE