PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Covid: Alemanha restringe atividades para não vacinados

Embora evite um novo bloqueio, é a mais recente tentativa de líderes de toda a União Europeia de conter um surto de infecções pelo vírus

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Alemanha está pressionando os cidadãos para que tomem vacinas do Covid-19, anunciando planos para restringir muitas atividades de lazer para os não vacinados em quase todo o país.

A chanceler Angela Merkel apresentou nesta quinta-feira (18) uma lista de medidas que permitirão o acesso a restaurantes, bares e eventos públicos em áreas com altas taxas de internação apenas para pessoas que estiverem vacinadas ou se recuperarem. Embora evite um novo bloqueio, é a mais recente tentativa de líderes de toda a União Europeia de conter um surto de infecções.

PUBLICIDADE

A Grécia ampliou as restrições para residentes não vacinados também hoje, enquanto a República Tcheca e a Eslováquia impuseram proibições ampliadas. A Holanda retomou um bloqueio parcial na semana passada e a Áustria está usando controles policiais para impedir as pessoas de violar seus requisitos de vacina.

“Estamos no meio da quarta onda e temos que lidar com uma situação dramática e tirar as conclusões necessárias”, disse Merkel a repórteres após uma reunião de líderes de governos estaduais e nacionais.

Medidas extraordinárias “são necessárias e justificadas”, disseram os líderes em um comunicado. Eles se aplicam a uma ampla gama de atividades e locais, desde eventos esportivos e culturais a restaurantes, bares e academias.

PUBLICIDADE

A Alemanha, que é a maior economia da Europa, relatou mais de 65.000 infecções em um dia pela primeira vez nesta quinta-feira (18), e hospitais com unidades de terapia intensiva sobrecarregadas estão soando o alarme. As mudanças, que incluem a exigência de que os empregadores permitam que os funcionários trabalhem em casa, substituem os poderes do estado de emergência que expiram em 25 de novembro.

As regras surgem enquanto o país ultrapassa um certo nível de internações hospitalares. Com base em dados oficiais, quase toda a Alemanha excede esse nível, que foi estabelecido em três hospitalizações por 100.000 pessoas em uma média contínua de sete dias. Proprietários de empresas e organizadores de eventos enfrentam multas se não cumprirem as restrições.

Os funcionários também concordaram em retomar os testes gratuitos da Covid, que foram suspensos durante uma relativa calmaria em novos casos.

PUBLICIDADE

“A vacinação foi e é a saída para a pandemia, principalmente agora”, afirma o comunicado.

Veja mais: Brasil ultrapassa EUA em taxa de vacinação completa

Lothar Wieler, chefe do Instituto Robert Koch, uma agência federal de saúde, pintou um quadro sombrio. “Nunca ficamos tão alarmados como agora” e as notícias dos hospitais são “super sombrias”, disse ele, segundo a mídia alemã, durante um painel de discussão na quarta-feira.

PUBLICIDADE

Plano de combate à pandemia da Alemanha:

  • Definindo benchmark de hospitalização para acionar medidas de bloqueio
  • Expansão das campanhas de vacinação dos estados com mais ofertas
  • Aumento de doses de reforço
  • Opção obrigatória para trabalhar em casa, se possível
  • Apenas pessoas vacinadas ou recuperadas, ou com teste negativo, no transporte público
  • Testes obrigatórios para todas as pessoas que entram em clínicas e lares de idosos
  • Penalidades por falsificação de certificados de vacinas da Covid ou resultados de testes

Os sociais-democratas alemães, o Partido Verde e os Democratas Livres, que estão em negociações para formar um governo que suceda ao governo de centro-direita de Merkel, usaram sua maioria na Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (18) para aprovar medidas nacionais que dão aos estados uma base legal para impor restrições.

--Com assistência de Ros Krasny

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE