Mercados

Ásia inicia negócios com perdas; futuros de NY sobem

Rendimentos dos títulos do Tesouro americano e o dólar seguem pressionados, impulsionando apelos por uma política monetária mais rígida

Ásia inicia negócios com perdas nesta quarta
Por Andreea Papuc
16 de Novembro, 2021 | 11:40 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os mercados asiáticos iniciaram os negócios desta quarta-feira com perdas após dados econômicos robustos dos EUA sustentarem os ganhos em Wall Street. Os rendimentos dos títulos do Tesouro americano e o dólar seguem pressionados, impulsionando os apelos por uma política monetária mais rígida.

As ações recuam no Japão, Coreia do Sul, Hong Kong e na Austrália na manhã desta quarta. Já os futuros de ações dos EUA seguem com leve alta, próximo da estabilidade, após os negócios serem impulsionados na terça por vendas fortes no varejo americano, dados positivos da produção industrial e resultados sólidos do Walmart Inc. e da Home Depot Inc.

Continuam as preocupações em relação à escalada da inflação, sendo que o presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, defendeu uma política monetária mais hawkish.

Os títulos do Tesouro continuam a recuar, com o rendimento de 10 anos subindo acima de 1,6%. O indicador do dólar avançou para o nível mais alto em cerca de 12 meses, enquanto o iene caiu para seu nível mais fraco em relação ao dólar em mais de quatro anos.

PUBLICIDADE

As criptomoedas recuam, com o valor do Bitcoin caindo brevemente abaixo de US$ 60 mil e o Ether atingindo seu nível mais baixo neste mês, em um ampl recuo dos recordes recentes.

Enquanto isso, o presidente Joe Biden disse que deve anunciar sua indicação para a presidência do Fed em quatro dias, com o atual presidente Jerome Powell e a governadora do Fed Lael Brainard na disputa. O mandato de Powell termina em fevereiro.

Lucros resilientes

Os lucros das empresas têm demostrado resiliência às pressões sobre os preços, em meio à recuperação econômica global, ajudando as ações a serem negociadas em patamares máximos históricos. A questão-chave permanece se o salto nos custos será transitório ou se tornará um desafio maior que demande uma resposta mais contundente da política monetária, turvando as perspectivas para ações e títulos.

“No final deste ano, sentimos que os mercados de ações devem permanecer fortes”, disse Xi Qiao, diretor-gerente da UBS Global Wealth Management, à Bloomberg Television. Ela acrescentou que “espera mais volatilidade à frente com o aumento das taxas” e que a inflação e as preocupações em relação à Covid continuam a gerar ansiedade.

PUBLICIDADE

O que acompanhar esta semana:

  • CPI da região do euro, quarta-feira;
  • Construção de novas casas, quarta-feira;
  • Índice do Conference Board dos EUA, pedidos iniciais de auxílio-desemprego, quinta-feira;
  • Richard Clarida e Mary Daly, do Fed ,falam na Conferência de Política Econômica da Ásia, sexta-feira

Alguns dos principais movimentos nos mercados:

Ações

  • Os futuros do S&P 500 subiam 0,06% às 11h30 em Tóquio (23h30 de terça em Brasília). O S&P 500 subiu 0,4%;
  • Os futuros do Nasdaq 100 subiam 0,05% O Nasdaq 100 subiu 0,8%;
  • Índice Topix caía 0,6%;
  • O índice S&P/ASX 200 da Austrália recuava 0,6%;
  • O índice Hang Seng tinha baixa de 0,4%;

Moedas

  • O iene japonês estava em 114,80 por dólar
  • O yuan offshore estava em 6,3909 por dólar
  • O Bloomberg Dollar Spot Index estava estável;
  • O euro estava em US$ 1,1322

Renda fixa

  • O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos avançava para 1,64%;
  • O rendimento dos títulos de 10 anos da Austrália subiu quatro pontos-base para 1,87%;

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate caiu 0,5%, para US$ 80,33 o barril;
  • O ouro estava em US$ 1.853,19 a onça.

--Com assistência de Rita Nazareth e Vildana Hajric.

(atualizado às 23h30 com abertura dos negócios em Hong Kong)

Leia mais em Bloomberg.com