Negócios

Amazon exclui Visa como forma de pagamento no Reino Unido

Varejista comprou a briga em torno das taxas de cartão e anunciou aos usuários que não aceitará mais Visa

Bônus para usuários que usarem cartões de outra bandeira
Por Alberto Nardelli
17 de Novembro, 2021 | 09:14 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Amazon deixará de aceitar pagamentos feitos com cartões de crédito Visa emitidos no Reino Unido a partir do próximo ano, a última tentativa dos varejistas de resistir às taxas de transação cobradas pelas redes de pagamento.

Os usuários da Amazon foram informados das mudanças esta semana. Depois de fazer compras, eles receberam uma notificação da Amazon dizendo que “a partir de 19 de janeiro de 2022, não aceitaremos mais cartões de crédito Visa emitidos no Reino Unido” devido às altas taxas cobradas pela Visa para processar transações.

Os clientes ainda podem usar cartões de débito Visa, bem como cartões de crédito MasterCard e American Express, bem como cartões de crédito Visa emitidos fora do Reino Unido, de acordo com um e-mail que a varejista enviou na quarta-feira (17). A mensagem incluiu uma oferta de vinte libras (US$ 27) de desconto em sua próxima compra para clientes que escolheram outro cartão de débito ou de crédito, que não seja Visa, como padrão de pagamento.

“O custo de aceitar pagamentos com cartão continua a ser um obstáculo para as empresas que se esforçam para oferecer os melhores preços para os clientes”, disse um porta-voz da Amazon. “Esses custos deveriam diminuir ao longo do tempo com os avanços tecnológicos, mas, em vez disso, continuam altos ou chegam até a aumentar.”

PUBLICIDADE

As taxas de cartão já são um ponto crítico entre comerciantes, bancos e redes de pagamento como Visa e Mastercard. Os varejistas há muito reclamam dos bilhões que gastam a cada ano para aceitar pagamentos eletrônicos, um número que cresceu nos últimos anos à medida que as taxas aumentam e os consumidores migram para os cartões premium, que possuem taxas de intercâmbio mais altas.

Ações da Visa

As ações da Visa caíram no pré-mercado dos Estados Unidos.

“Estamos muito desapontados com a ameaça da Amazon de restringir a escolha do consumidor no futuro. Quando a escolha do consumidor é limitada, ninguém ganha “, disse um porta-voz da Visa por e-mail. “Temos um relacionamento de longa data com a Amazon e continuamos a nos empenhar para encontrar uma solução”.

No ano passado, a Visa planejou uma série de mudanças nas taxas que os comerciantes americanos pagam para aceitar seus cartões, informou a Bloomberg. As taxas de intercâmbio da empresa - cobradas cada vez que um consumidor usa um cartão - aumentaram ou diminuíram dependendo do comerciante e da forma como o consumidor paga por suas compras, segundo um documento enviado pela Visa aos bancos no ano passado descrevendo as mudanças. A empresa estabeleceu taxas mais altas para transações em sites de comércio eletrônico, enquanto os varejistas em certas categorias de serviços, como imóveis e educação, tiveram uma diminuição nas taxas.

PUBLICIDADE

Com a colaboração de Tom Metcalf e Giles Turner

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

CVC dobra receita, reduz prejuízo e vê retomada do turismo, diz CEO

Mulheres executivas são melhores para o planeta, mostra estudo do BIS