PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Divibank, banco de investimento digital, capta R$ 28 mi com Goldfinch

Montante será empregado na expansão de financiamentos de clientes do mundo digital; aporte é o segundo obtido em 2021

Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — Novata no mercado, o banco de investimento para empresas digitais Divibank recebeu um novo aporte financeiro de R$ 28 milhões junto com a Goldfinch, especialista em negócios baseados em criptomoedas.

De acordo com a fintech, que concedeu a informação com exclusividade para a Bloomberg Línea, o montante captado será empregado na expansão de seus financiamentos para clientes da casa e também para captar novos clientes.

PUBLICIDADE

“Queremos atender tanto empresas de longa data que estão expandindo seus negócios no mundo digital, como também novas empresas que já nasceram digitalmente”, diz Jaime Taboada, CEO da Divibank. A companhia conta com uma clientela diversificada, que envolve e-commerces, empresas de SaaS (Software as a Service), edtechs e outras fintechs.

Veja mais: Defensores das criptomoedas pedem mais clareza antes da COP-26

A escolha da Goldfinch não foi por acaso. A fintech vê uma grande oportunidade na tendência das finanças descentralizadas (DeFi). “O movimento DeFi por trás dos aportes da Goldfinch está alinhada com o objetivo da Divibank de estar na vanguarda de alternativas inovadoras de financiamento”, diz o CEO.

PUBLICIDADE

Desde o início de suas operações em março do ano passado, a empresa fundada por Jaime Taboada e Rebecca Fischer vem crescendo, em média, 34% ao mês. A startup também triplicou sua receita nos últimos seis meses e aumentou o volume de financiamentos em mais de dez vezes em 2021.

O novo aporte anunciado hoje soma-se a outro de R$ 20 milhões obtido no início do ano com a Better Tomorrow Ventures.

Veja mais: Como funciona o DeFi, ecossistema cripto cujo valor cresceu 4 vezes em um ano

PUBLICIDADE

Mas a fintech não quer parar por aí. Mesmo após as duas captações de 2021, o CEO diz que a companhia continua aberta à possibilidade de futuras captações no curto e médio prazo, pegando carona no ambiente favorável à inovação na América Latina.

“Independentemente do cenário político, o mercado segue focado no enorme potencial de crescimento da região”, diz Taboada.

“Por isso o investimento na América Latina em 2021 vai crescer perto de 4x em relação a 2020 e acreditamos que ainda mais em 2022. As expectativas são muito positivas para 2022″, completa o CEO.

PUBLICIDADE

Leia também

Startup imobiliária vai aceitar pagamentos em Bitcoin na América Latina


Igor Sodré

Igor Sodré

Jornalista com formação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com experiência na cobertura de cultura e economia, tendo como foco mercado financeiro e companhias. Passou pela Bloomberg News e TradersClub.

PUBLICIDADE