PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

EUA têm a maior alta nos preços ao consumidor em 31 anos

O CPI (índice de preços ao consumidor) subiu 6,2% em relação a outubro de 2020, segundo dados do Departamento do Trabalho

Maior aumento desde 1991
Por Olivia Rockeman
10 de Novembro, 2021 | 12:31 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os preços pagos pelos consumidores dos Estados Unidos subiram no mês passado no ritmo mais elevado desde 1990, refletindo pressões inflacionárias maiores conforme as empresas conseguem repassar custos mais altos, reduzindo o poder de compra dos consumidores mesmo com salários maiores.

O CPI (Índice de Preços ao Consumidor) aumentou 6,2% em relação a outubro de 2020, segundo dados do Departamento do Trabalho divulgados nesta quarta (10). O CPI subiu 0,9% sobre setembro, a maior alta em quatro meses. Ambos os avanços excederam todas as estimativas de uma pesquisa da Bloomberg com economistas.

Em um cenário de forte demanda, as empresas têm aumentado constantemente os preços de bens de consumo e de serviços, ao mesmo tempo em que os gargalos na cadeia de suprimentos e a escassez de trabalhadores qualificados aumentam os custos. Muitos economistas, incluindo alguns do Federal Reserve, esperam que as pressões sobre os preços persistam no próximo ano, mantendo a inflação elevada.

Os preços mais altos de energia, moradia, alimentos e veículos alimentaram a sobrecarga em outubro e indicaram que a inflação está se ampliando para além das categorias associadas à reabertura.

PUBLICIDADE

Um relatório de terça-feira (9) mostrou que os preços pagos aos produtores dos EUA também aceleraram no mês passado, em grande parte devido aos custos mais altos dos produtos, e aumentando as preocupações sobre as persistentes pressões sobre os preços em todo o mundo.

Na China, a inflação no nível das fábricas no mês passado subiu, atingindo a maior alta em 26 anos, enquanto os preços ao consumidor no Brasil aceleraram mais do que o previsto.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o chamado núcleo da inflação subiu 0,6% em relação ao mês anterior e 4,2% em relação ao ano anterior. O aumento anual foi o maior desde 1991.

Com colaboração de Chris Middleton, Reade Pickert e Sophie Caronello.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Mercados emergentes como o Brasil terão dificuldade em controlar inflação