PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

China domina as vendas de carne suína do Brasil

Quase metade de todo o volume exportado de janeiro a outubro teve como destino o país asiático, que segue ampliando suas compras para atender seu mercado doméstico

Puercos
10 de Novembro, 2021 | 04:02 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — As exportações de carne suína do Brasil entre janeiro e outubro deste ano ficaram próximas a 1 milhão de toneladas. Efetivamente, foram embarcadas 967,7 mil toneladas, volume que representa um crescimento de 13,4% em comparação ao mesmo período do ano passado, segundo levantamento da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Em receita, o cenário também se mostra favorável. Os embarques deste ano já renderam US$ 2,279 bilhões, desempenho 21,5% acima do registrado entre janeiro e outubro do ano passado, quando as exportações de suínos somaram US$ 1,876 bilhão.

PUBLICIDADE

Veja mais: China quer inspecionar exportadores de carne suína de SC

No topo do ranking dos maiores importadores está a China. O país asiático foi o destino de praticamente metade de tudo o que o Brasil exportou este ano. Em 2021, as importações de carne suína brasileira pela China somam até agora 481,9 mil toneladas, o que representa um crescimento de quase 14% sobre os dez primeiros meses de 2020.

“A média de embarques registrada até aqui no segundo semestre é histórica, acima de 100 mil toneladas, e projeta para o cumprimento da expectativa de um novo recorde de exportações de carne suína do Brasil, alcançando 1,1 milhão de toneladas”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

PUBLICIDADE

Outubro foi mais um mês de crescimento nos embarques. As indústrias nacionais exportaram 99,1 mil toneladas, volume 11,9% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. O saldo em dólares outubro chegou a US$ 217,9 milhões, 9,3% maior que os US$ 199,4 milhões obtidos com os embarques de janeiro a outubro de 2020.

“O status sanitário da produção brasileira de carne suína tem sido um diferencial competitivo no mercado internacional, colaborando para o suprimento em mercados cujas ofertas internas continuam sendo afetadas pela ocorrência de surtos de peste suína african”, avalia o diretor de mercados da ABPA, Luis Rua.

Apesar dos bons resultados de outubro, o desempenho com as exportações não conseguiu superar o recorde de setembro. Naquele mês, as exportações de carne suína somaram 112,2 mil toneladas e atingiram o maior volume mensal embarcado da história, com um crescimento de quase 30% em relação a setembro do ano passado.

Leia também

Empresas querem reduzir até 25% viagens de negócios no pós-Covid

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.