PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Biden insiste em zerar emissões da aviação até 2050

A proposta marca o último estágio dos planos climáticos de Biden por meio de ações regulatórias, enquanto sua agenda legislativa avança lentamente no Congresso

El presidente Joe Biden
Por Keith Laing
09 de Novembro, 2021 | 07:46 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A administração do presidente Joe Biden está endereçando um dos segmentos mais complicados na descarbonização com um plano que exige que o setor de aviação dos EUA alcance as emissões líquidas zero até 2050.

PUBLICIDADE

Descabornizar a aviação tem sido mais desafiador do que os automóveis, que funcionam essencialmente com baterias, mas o plano de 40 páginas de Biden divulgado nesta terça-feira exige o aumento da produção de combustíveis sustentáveis para aviões e o desenvolvimento de novas tecnologias de aeronaves. Ele também insiste em aumentar a eficiência operacional para reduzir a quantidade de combustível que é queimado durante os voos.

A proposta marca o último estágio dos planos climáticos de Biden por meio de ações regulatórias, enquanto sua agenda legislativa avança lentamente no Congresso. Isso segue seus esforços anteriores para limitar as emissões de metano de poços de petróleo e visar que metade de todos os carros vendidos nos EUA sejam capazes de dirigir sem emissões até o final da década.

PUBLICIDADE

O secretário de Transportes, Pete Buttigieg, deve anunciar detalhes do plano durante uma aparição na Conferência de Mudança Climática das Nações Unidas em Glasgow, Escócia.

Veja também: Enviado dos EUA espera acordo sobre mercado de carbono em COP26

O secretário de transportes dos Estados Unidos, Pete Buttigieg, promete reduzir emissões de companhias aéreasdfd

“O Plano de Ação Climática que estamos anunciando hoje é ambicioso, mas alcançável, e ajudará a criar um futuro de aviação sustentável”, disse Buttigieg em um comunicado. “Este plano mostra que podemos combater a mudança climática e, ao mesmo tempo, fazer a economia crescer e criar empregos americanos bem remunerados.”

As companhias aéreas vêm trabalhando há anos para desenvolver combustíveis alternativos para aviação, disse Scott Sklar, diretor de energia sustentável do Instituto de Gerenciamento de Energia e Meio Ambiente da George Washington University.

“O petróleo é seu maior custo e tem picos muito altos historicamente que os colocam à beira da falência”, disse Sklar. “Portanto, ter combustíveis domésticos que podem ser misturados ou substituir o petróleo nesses picos de custo mais altos os torna mais estáveis no longo prazo.”

PUBLICIDADE

O longo tempo de espera para atingir emissões zero destaca os desafios únicos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa no setor de aviação. Os enormes custos de desenvolvimento de aeronaves novas e mais eficientes, juntamente com os rígidos requisitos de segurança, significam que pode levar décadas para obter melhorias por meio de mudanças na frota.

A NASA e a Federal Aviation Administration estão trabalhando com a indústria para acelerar o desenvolvimento de aeronaves mais eficientes e tecnologias de motores que podem resultar em uma economia de combustível de 30%, de acordo com um comunicado da FAA. Eles acreditam que a nova tecnologia de aeronave poderia começar a entrar na frota dos EUA em 2030.

Também há esforços para reduzir o consumo de combustível durante o taxiamento, decolagem e pouso, além de otimizar as trajetórias de voo, segundo a secretaria.

“Os EUA lideram a aviação há décadas e devemos continuar essa liderança construindo um sistema de aviação sustentável”, disse Steve Dickson, administrador da FAA, em um comunicado. “Nossa liberdade de voar exige que tomemos medidas.”

--Com assistência de Alan Levin e Ari Natter.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Empresas no Reino Unido prometem vetar soja de áreas desmatadas