PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

StartSe recebe aporte de R$ 75 milhões do Pátria Investimentos

Recursos serão utilizados para fazer aquisições, ampliar os investimentos em tecnologia, pessoal e marketing, além de seguir a expansão internacional

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — A StartSe, plataforma de educação voltada para digitalização, recebeu um aporte de R$ 75 milhões do Pátria Investimentos, uma das mais antigas gestoras de privaty equity do país. É a primeira rodada de recursos (série A) que a StartSe levanta com investidores do mercado de capitais.

Segundo Junior Borneli, fundador e CEO da StartSe, os recursos serão utilizados para fazer aquisições, ampliar os investimentos em tecnologia, pessoal e marketing, além de seguir a expansão internacional. Em maio, a StartSe comprou 40% da Captable, uma plataforma de investimentos e crowdfunding em outras startups.

PUBLICIDADE

Fundada em 2015, a StartSe prepara empresas e profissionais para a chamada transformação digital por meio consultoria, treinamentos, mentorias, entre outros serviços. A Startse começou em São Paulo, mas está presente no Vale do Silício, China, Israel e Portugal. Recentemente abriu um escritório em Miami, cidade que tem atraído startups voltadas para a América Latina.

“Estamos nesses lugares porque eles são os grandes polos de inovação do mundo, onde as coisas estão mais pujantes e acontecendo agora. O fato de estar nesses lugares nos dá essa capacidade de entender as melhores práticas que estão sendo aplicadas nas melhores empresas do mundo, transformar isso em conhecimento do agora e distribuir na nossa plataforma seja em conteúdo gratuito, áudio, texto, aulas ou através de nosso cursos presenciais ou online”, disse Borneli à Bloomberg Línea.

A empresa se autodefine como “plataforma de conhecimento em negócios” da nova economia. Entre os clientes, estão Ambev, Bradesco, Braskem, Claro, Fleury, Gerdau, Hering, Johnson&Johnson, Nestlé, Nextel, Sicoob, Suzano, Votorantim, entre outras.

PUBLICIDADE

“A StartSe se aproximou muito das investidas do Pátria através dos programas de capacitação. As investidas, assim como as grandes empresas, precisam passar por esse processo de transformação digital, de transformação cultural, para entender sobre a nova economia e sobre os insights que a gente trás para os negócios”, disse Borneli.

Já o Pátria Investimentos tem mais de 30 anos de atuação como gestora de privaty equity na América Latina, com US$ 15,8 bilhões em ativos sob gestão. A gestora tem um longo histórico de investimento em educação, sendo a principal acionista da antiga Anhembi Morumbi e Anhanguera. Hoje, atua também em infraestrutura, real state e crédito.

“Nosso foco sempre foi em setores resilientes como saúde, alimentos e educação sempre foi uma vertical importante para a gente. Vemos a StartSe como um excelente investimento para voltar para o setor de educação. Já conhecíamos os gestores/fundadores da Startse e também por meio de clientes que estão envolvidos nesse processo de transformação digital”, disse Gil Karsten, sócio do Pátria.

PUBLICIDADE

Leia também

Tokens da Tesla caem 6,8% após promessa de Elon Musk sobre venda de ações


Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.

PUBLICIDADE