Mercados

Minério de ferro fica abaixo de US$ 100 com desaceleração da China

Restrições à produção de aço e desaceleração da economia chinesa impactam minério e empresas produtoras, como a Vale

Contratos futuros de minério de ferro em Singapura caíram 7,5%, para US$ 92,75 a tonelada
Por Krystal Chia
02 de Novembro, 2021 | 08:40 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os futuros do minério de ferro aceleraram as perdas e chegaram a menos de US$ 100 a tonelada com a redução da produção de aço na China e sinais de que o crescimento econômico está enfrentando dificuldades cada vez maiores.

Os preços em Singapura caíram pelo quinto dia, enquanto a maior produtora de aço do mundo intensificou os esforços para limitar os volumes anuais de aço. Embora a China tenha imposto restrições à produção ao longo de 2021, as regras agora estão sendo implementadas com mais frequência e os limites foram estendidos para o primeiro trimestre em um esforço para garantir mais tranquilidade durante os Jogos Olímpicos de Inverno.

A produção diária de aço bruto nas últimas semanas de outubro caiu para o menor patamar desde março de 2020, de acordo com o pesquisador Mysteel, que citou uma pesquisa com 247 altos-fornos e 71 fornos elétricos. Houve pedidos frequentes de governos locais para restringir a produção, enquanto a fraca demanda por aço e a redução dos preços reduziram a disposição das usinas de produzir, disse o relatório.

“A probabilidade de que a demanda de minério de ferro caia em pelo menos 20% no quarto trimestre está aumentando”, disse o analista da Orient Futures, Xu Huimin. “Temos que monitorar se as usinas vão realmente reduzir a produção por conta própria, o que vai piorar o mercado ainda mais.” O mercado de minério de ferro em outubro já estava com 15% de superávit e o suporte de custo está atualmente em cerca de US$ 80 a US$ 90 a tonelada, segundo o relatório.

PUBLICIDADE
  • Os contratos futuros de minério de ferro em Singapura caíram 7,5%, para US$ 92,75 a tonelada, às 14h59, horário local.

Veja mais: Minério amplia baixa com sinais de desaceleração do setor de aço

O setor imobiliário da China, uma fonte importante de demanda de aço e metais, está sob pressão de regras que visam conter a alavancagem, bem como uma desaceleração do mercado. Os avaliadores de crédito estão rebaixando as empresas do setor no ritmo mais rápido já registrado, enquanto pelo menos quatro desenvolvedores inadimplentes no mês passado tentaram atrasar os pagamentos de títulos de curto prazo, após o contágio desencadeado pela China Evergrande Group.

De forma mais ampla, a economia da China está mostrando sinais de fraqueza. O índice oficial dos gerentes de compras de manufatura ficou abaixo da marca de 50, o que sinaliza uma contração pelo segundo mês em outubro, enquanto o PMI da indústria de aço caiu.

O declínio do minério de ferro também prejudicou grandes mineradoras. As ações do Grupo Rio Tinto fecharam com o menor valor desde maio de 2020 em Sydney, enquanto o BHP Group atingiu o menor valor em cerca de um ano. No Brasil, a Vale perdeu mais de 30% desde o início de agosto.

PUBLICIDADE

Leia também

Preços do petróleo estacionam em US$ 85 antes da reunião da Opep