PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Bezos, Ikea e Rockefeller prometem mais de US$ 10 bi pelo clima no 1º dia da COP26

A organização, que também inclui oito instituições multilaterais, começará com US$ 10 bi para testar estratégias e tecnologias inovadoras para apoiar iniciativas de energias renováveis em todo o mundo

Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — Filantropos globais colocaram as mãos nos bolsos para fazer uma grande declaração no primeiro dia da conferência do clima das Nações Unidas.

As fundações Rockefeller e Ikea anunciaram nesta segunda-feira planos para criar uma Aliança Global de Energia para as Pessoas e o Planeta que permitirá que governos ricos - bem como pessoas ricas - façam doações incrementais e eficientes para colaborar com a transição energética nas nações mais pobres.

PUBLICIDADE

A organização, que também inclui oito instituições multilaterais e de financiamento do desenvolvimento, começará com US$ 10 bilhões para testar estratégias e tecnologias inovadoras para apoiar iniciativas de energias renováveis em todo o mundo, especialmente em áreas onde o capital privado ainda hesita em chegar. Assim que os protótipos se provem viáveis, a expectativa é que desbloqueiem US$ 100 bilhões em investimentos públicos e privados para expandi-los.

O fundo Bezos Earth informou que doará US$ 500 milhões para essa iniciativa. Ao mesmo tempo, prometeu US$ 1 bilhão para a restauração de paisagens, como plantio de árvores e revitalização de pastagens, e uma quantia igual para transformar os sistemas alimentares, tornando a agricultura mais produtiva e reduzindo seus gases de efeito estufa.

Os programas, anunciados no primeiro dia da conferência em Glasgow, Escócia, conhecida como COP26, têm como objetivo ampliar as promessas das nações ricas em 2009 de financiar a transição de energia das nações pobres com US$ 100 bilhões anuais.

PUBLICIDADE

“Mesmo que os países ricos cheguem a US$ 100 bilhões, isso não chega nem perto dos trilhões que são necessários”, disse Joseph Curtin, diretor da equipe de energia e clima da fundação Rockefeller. “Queríamos criar as condições para o setor privado investir em grande escala.”

Quem paga conta

A questão de quem paga é essencial para intensificar o esforço de conter o aquecimento global. Os países pobres dizem que precisam de financiamento para intensificar as ambições de corte de carbono e investir em novas tecnologias para se livrar dos combustíveis fósseis. A divisão de investimentos é particularmente acentuada após a pandemia Covid-19, com os países ricos investindo trilhões na recuperação enquanto os países pobres ainda lutam para sair da crise.

Os países pobres em energia são atualmente responsáveis por 24% do dióxido de carbono global e sua parcela de emissões pode crescer para 76% até 2050, a menos que façam a transição do carvão, de acordo com uma análise publicada pela Global Energy Alliance como parte de seu anúncio.

PUBLICIDADE

As nações mais ricas atingirão sua meta de US$ 100 bilhões em 2023, com três anos de atraso, de acordo com um relatório produzido pelo Canadá e pela Alemanha a pedido do presidente da COP26, Alok Sharma. Essa descoberta divulgada na semana passada enfureceu muitas nações em desenvolvimento. A Índia, o terceiro maior produtor de dióxido de carbono atrás da China e dos EUA, disse explicitamente que não pode atingir uma meta de zerar sua emissão de carbono sem mais ajuda.

O plano Rockefeller-Ikea-Bezos não é a única novidade no financiamento ao setor. Na segunda-feira, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou uma iniciativa para ajudar os países em desenvolvimento a acessar tecnologias verdes para fazer suas economias crescerem sem poluir. O plano inclui a duplicação dos investimentos verdes financiados com ajuda do Reino Unido para mais de US$ 4,1 bilhões em cinco anos, disse o escritório de Johnson em um comunicado.

Boris Johnson

Pode ser politicamente difícil para os governos fazerem grandes doações para outras nações, disse Sundaa Bridgett-Jones, que está mudando de seu papel como diretora-gerente da Rockefeller para ser chefe de novas parcerias e defesa da Aliança Global de Energia. Além disso, o mecanismo para fazer tais doações não é particularmente ágil. As nações poderiam fazê-lo por meio de suas próprias agências de desenvolvimento ou por meio de fundos direcionados a instituições multilaterais como o Banco Mundial.

PUBLICIDADE

“O que está faltando é uma forma de agregar as doações de uma forma ágil e flexível”, disse ela. “Isso fornece uma maneira fácil de reunir doações menores.”

Rockefeller + Ikea

A Fundação Rockefeller, uma instituição filantrópica sediada em Nova York com mais de um século de experiência internacional, já passou uma década financiando 200 microrredes solares para atender vilarejos remotos na Índia. Assim que as dificuldades foram resolvidas, a indiana Tata Power concordou em expandir o projeto para 10.000 redes.

Esse sucesso chamou a atenção da Fundação Ikea, criada pelo fundador da gigante sueca de móveis, que vinha apoiando separadamente o trabalho de microrredes na África Subsaariana.

PUBLICIDADE

Juntos, eles decidiram cooperar em um esforço que combinaria seus fundos e experiência e permitiria que outros fizessem doações. Nos últimos meses, eles trouxeram organizações de desenvolvimento, incluindo o Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento, Banco Asiático de Desenvolvimento, Banco Europeu de Investimento, Banco Interamericano de Desenvolvimento, Corporação Financeira Internacional de Desenvolvimento dos EUA e Banco Mundial, entre outros.

Bridgett-Jones disse que a nova plataforma seria um lugar descomplicado onde os países poderiam fazer doações mais modestas que não contariam necessariamente para cumprir suas promessas de 2009. A Itália, por exemplo, já prometeu 10 milhões de euros, disse ela.

O Rockefeller disse que teria métricas estritas que outros podem usar para medir o progresso. Jennifer Layke, diretora global de energia do World Resources Institute, uma organização sem fins lucrativos de Washington que não faz parte do acordo, aplaudiu isso. “Vimos muitos anúncios”, disse ela. “Simplesmente não sabemos se eles se somam. Precisamos estar confiantes de que podemos rastrear a implementação. "

A fundação Bezos Earth, que recentemente se estabeleceu como braço de filantropia do fundador da Amazon.com Inc, foi mais vaga sobre como planeja investir seu dinheiro. Além de delinear as duas grandes áreas de foco, a fundação disse que planeja gastar US$ 2 bilhões até 2030. Essa promessa vem além de um compromisso de US$ 1 bilhão feito em setembro para conservar 30% das áreas intocadas remanescentes em terra e no mar até 2030.

PUBLICIDADE

“Nosso compromisso hoje apoia um imperativo triplo - devemos conservar o que temos, restaurar o que perdemos e cultivar o que precisamos”, disse Bezos em um comunicado preparado.

(Atualizações com as promessas do Fundo Terrestre de Bezos no penúltimo parágrafo.)

Veja mais em bloomberg.com



PUBLICIDADE