PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

EUA registram pior crescimento na recuperação da pandemia

Um dos motivos é a crise de abastecimento, que deve durar até 2022

PIB cresceu 2%; projeção era de 2,6%
Por Reade Pickert
28 de Outubro, 2021 | 11:35 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O crescimento econômico dos Estados Unidos desacelerou mais que o esperado no terceiro trimestre e atingiu o ritmo mais suave do período de recuperação da pandemia, pois os gargalos nas cadeias de suprimentos e o aumento nos casos de Covid-19 restringiram gastos e investimentos.

O produto interno bruto expandiu a uma taxa anualizada de 2% após crescimento de 6,7% no segundo trimestre, segundo estimativa preliminar do Departamento de Comércio na quinta-feira (28).

PUBLICIDADE

A desaceleração refletiu uma forte queda no consumo pessoal, que cresceu apenas 1,6% após um rápido salto de 12% no período anterior. A escassez, os gargalos de transporte, os preços em alta e a variante delta do coronavírus pesaram sobre os gastos com bens e serviços.

A previsão média de uma pesquisa da Bloomberg com economistas apontava para um aumento de 2,6% no PIB. Os futuros de índices de ações dos EUA mantiveram ganhos, enquanto o dólar e os títulos do Tesouro permaneceram estáveis.

Os dados mais recentes enfatizam como as restrições sem precedentes no abastecimento estão travando a economia dos EUA. Os produtores, com poucos funcionários e materiais, não estão conseguindo acompanhar a demanda. Os prestadores de serviços, que enfrentam pressões semelhantes, sofreram um golpe adicional com a variante delta.

PUBLICIDADE

Veja mais: Imposto de Biden sobre bilionários mira 700 ultrarricos nos EUA

Embora a expectativa seja que os problemas no abastecimento durem até 2022, a redução das infecções por Covid-19 e a poupança de recursos devem sustentar o aumento dos gastos das famílias nos últimos três meses do ano.

As restrições de oferta contínuas, juntamente com outros efeitos da reabertura, também aumentaram os preços de diversos produtos, gerando preocupações sobre a amplitude e a duração do recente aumento da inflação.

O índice de preços de despesas de consumo pessoal excluindo custos com alimentos e energia, acompanhado de perto pelos funcionários do Federal Reserve, permaneceu elevado no último trimestre.

PUBLICIDADE

Como as empresas reagiram

“Não vemos que o ambiente de matéria-prima ou de inflação vai desacelerar de forma alguma”. – Monish Patolawala, CFO da 3M, em conferência de apresentação de resultados de 26 de outubro

“Assim como o mercado mais amplo, estamos enfrentando a pressão da inflação... No próximo ano, prevemos um ambiente de inflação mais desafiador”. – Carolina Dybeck Happe, CFO da General Electric, em conferência de apresentação de resultados de 26 de outubro

PUBLICIDADE

Veja mais: Bancos dos EUA buscam encerrar processos de exclusão financeira

“Acredito que os ventos desfavoráveis e o aumento dos custos de distribuição certamente continuarão em 2022″. – Maria Henry, CFO da Kimberly-Clark, em conferência de apresentação de resultados de 25 de outubro

PUBLICIDADE

“No âmbito dos custos... não vemos nenhuma melhoria significativa até meados de 2022″. – John Morikis, CEO da Sherwin-Williams, em conferência de apresentação de resultados de 26 de outubro

“Os riscos agora claramente são os gargalos mais longos e persistentes e, portanto, uma inflação mais alta”, disse o presidente do Fed, Jerome Powell, na semana passada. “No momento, a inflação mais alta e os gargalos durarão até o próximo ano”.

PUBLICIDADE

Veja mais: Bancos Centrais pensam seriamente em adotar moedas digitais

O investimento empresarial ajustado à inflação diminuiu após o rápido ritmo de crescimento observado no ano passado, e os fabricantes não conseguiam atender aos pedidos. O investimento fixo não residencial aumentou 1,8% anualizado.

PUBLICIDADE

A desaceleração nos gastos do consumidor refletiu os gastos mais baixos com veículos, que caíram 2,39 pontos percentuais do PIB durante o trimestre.

Um déficit comercial mais amplo, refletindo importações recordes de bens estrangeiros, prejudicou ainda mais o crescimento. As exportações líquidas diminuíram 1,14 pontos percentuais.

PUBLICIDADE

Um relatório separado na quinta-feira mostrou que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram para 281 mil na semana passada, uma nova baixa durante a pandemia. Os pedidos contínuos (uma medida dos benefícios contínuos) caíram 237 mil na semana encerrada em 16 de outubro – a maior queda desde julho.

--Com assistência de Kristy Scheuble e Olivia Rockeman.

Veja mais em bloomberg.com