Viagens

Aeronautas ameaçam greve em novembro; ações da Azul e Gol desabam

Uma das reivindicações da categoria é que os salários sejam reajustados a partir de 1º de dezembro de 2021

Convocação de greve pelos aeronautas ocorre no contexto de retomada de voos pelas companhias aéreas e proximidade de dezembro, mês crucial para as receitas do setor
26 de Outubro, 2021 | 01:43 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — Na próxima quinta-feira (28), os sindicatos das companhias aéreas e dos aeronautas têm uma reunião marcada para uma nova rodada de negociações, a fim de evitar uma greve dos tripulantes convocada para o próximo dia 20 de novembro.

Uma das reivindicações da categoria é que os salários dos aeronautas sejam reajustados, a partir de 1º de dezembro de 2021, pelo percentual do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) acumulado de 1º de dezembro de 2019 a 30 de novembro deste ano.

Esta greve potencial afetaria a Azul e Gol, e o ajuste salarial acima da inflação também poderia afetar as margens, uma vez que estas empresas ainda estão tentando aumentar as passagens para mitigar o impacto dos preços mais altos do combustível de aviação e um real mais fraco”, comentaram os analistas Victor Mizusaki (Bradesco BBI) e Wellington Lourenço (Ágora Investimentos), em nota conjunta enviada aos clientes.

Veja mais: Gol lidera ranking de reclamações contra aéreas, seguida por Latam e Azul

PUBLICIDADE
  • As ações da Azul chegaram hoje a cair na B3 mais de 6%, enquanto os papéis da Gol desabaram mais de 5%.

Ontem, o SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas) aprovaram, em votação online, o início de procedimentos para a instauração de movimento grevista, caso não seja formalizada a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria até o próximo dia 20 de novembro.

Segundo nota da entidade, foram registrados 95,53% de votos a favor, 3,22% de votos contrários e 1,25% de abstenções. Participaram da deliberação 6.178 votantes.

Veja mais: Passageiro volta a ter direito à alimentação se voo atrasar 2 horas

Na reunião realizada no último dia 20, o Snea (Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias) negou a possibilidade de ultratividade da atual CCT, ou seja, não garantiu a manutenção das cláusulas atuais da convenção em caso de um novo acordo não ter sido fechado até a data-base da categoria (1º de dezembro), informou o SNA, em nota.

PUBLICIDADE

“O eventual fim da vigência do instrumento coletivo acarreta a eliminação imediata de diversos direitos sociais e econômicos, além do fim de regramentos operacionais essenciais que se encontram previstos exclusivamente neste documento, com impacto negativo, inclusive, para as próprias empresas. Diante dos graves riscos envolvidos para a segurança de voo com a possibilidade de queda repentina de normas que regem a profissão, a categoria expressou sua indignação com a expressiva votação a favor da possibilidade de um movimento grevista.Lembramos ainda que a categoria vem de um período em que se viu obrigada a firmar acordos coletivos para suspensão de contratos, licenças não-remuneradas e redução de jornadas e salários”, disse o SNA.

O SNEA informa, por sua vez, que iniciou as negociações da Convenção Coletiva de Trabalho para todo o setor de aviação no último dia 22.

“O SNEA e suas associadas apresentaram às Federações e Sindicatos dos Aeroviários, assim como ao Sindicato dos Aeronautas, informações do setor da aviação que ainda sofre com os impactos gerados pela pandemia da Covid-19 e que necessitam de esforços conjuntos para a recuperação e estabilidade, pois o setor acumula um prejuízo de bilhões de reais, que foi agravado com as perdas geradas durante a pandemia. Na ocasião, o SNEA e suas associadas apresentaram ao SNA Aeronautas uma pauta de intenções a serem avaliadas nas próximas reuniões e, aos Aeroviários, informou que enviará a pauta com as intenções do SNEA antes da próxima reunião de 28 de outubro”, diz o sindicato patronal, em seu site.

Leia também

As mulheres tinham medo de trabalhar na Blackstone, afirma Schwarzman

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE