promo
Internacional

La Nina ameaça piorar a crise de energia com inverno mais rigoroso

Padrão que se forma quando os ventos equatoriais se fortalecem para trazer águas mais frias e profundas do fundo do mar emergiu no Pacífico

Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Um fenômeno climático que normalmente resulta em invernos mais rigorosos está a caminho e deve contribuir para a crise de energia da Ásia.

O padrão La Niña, que se forma quando os ventos alísios equatoriais se fortalecem para trazer águas mais frias e profundas do fundo do mar, emergiu no Pacífico. Isso normalmente indica temperaturas abaixo do normal no hemisfério norte e fez com que as agências meteorológicas regionais emitissem alertas sobre um inverno frio.

Vários países, especialmente a China, o maior consumidor de energia, estão lutando contra a alta nos preços dos combustíveis e escassez de energia ou impondo restrições no fornecimento à indústria pesada. Os preços do carvão e do gás já estão elevados e um inverno rigoroso aumentará a demanda de aquecimento, o que provavelmente gerará aumentos adicionais de preços.

“Esperamos que as temperaturas sejam mais frias do que o normal neste inverno em todo o nordeste da Ásia”, disse Renny Vandewege, vice-presidente de operações meteorológicas do provedor de dados DTN. “Os dados da previsão do tempo são um componente crítico para prever quanta carga de energia será necessária.”

Aqui está a perspectiva para algumas nações importantes:

China

As temperaturas despencaram no início da semana passada na maior parte do leste da China e já estão mais frias do que o normal em algumas áreas do norte, de acordo com o Centro Nacional do Clima do país. Províncias como Heilongjiang, Shaanxi e Shanxi iniciaram a temporada de aquecimento no inverno entre quatro e 13 dias antes dos anos anteriores. Os sistemas controlados pelo governo local - normalmente movidos a carvão ou gás - são acionados para aquecer as casas dos residentes em muitas dessas áreas.

Condições climáticas extremas podem acontecer com mais regularidade como resultado do aquecimento global, de acordo com Zhi Xiefei, professor de ciências atmosféricas da Universidade de Ciência e Tecnologia da Informação de Nanjing. “Ondas de frio podem levar a quedas maiores de temperatura, mas eventos quentes incomuns também podem ocorrer”, disse Zhi.

O centro climático espera que o país entre nas condições de La Niña neste mês, disse a agência oficial de notícias Xinhua no sábado.

Japão

O Japão provavelmente terá temperaturas mais baixas do que o normal no próximo mês, de acordo com a Agência Meteorológica do Japão, que havia previsto anteriormente uma chance de 60% de um La Niña durante o período de outono-inverno. O país, que tem estado relativamente isolado da crise de energia, está permanecendo vigilante após um frio extremo no ano passado que motivou os preços da energia no atacado subirem.

As concessionárias ficaram sem combustível devido ao aumento da demanda no último inverno, forçando-as a comprar carregamentos de gás natural liquefeito à vista. O Ministério do Comércio já se reuniu com grandes empresas de energia, gás e petróleo para se preparar para os meses de inverno, e os estoques de GNL mantidos pelos principais fornecedores de eletricidade do Japão estão atualmente cerca de 24% acima da média de quatro anos.

Coreia do Sul

A Coreia do Sul terá um clima mais frio na primeira metade do inverno e também deve ser afetada pelos efeitos do La Niña, de acordo com a administração meteorológica do país. O país viu neste ano sua primeira neve 15 dias antes do ano passado em meio a um outubro excepcionalmente frio.

O governo do país já está tomando medidas para reforçar o fornecimento de combustível e mitigar o impacto dos preços mais altos. Os impostos sobre os combustíveis e as tarifas de importação de GNL serão temporariamente reduzidos, disse o vice-ministro das Finanças, Lee Eog-weon, na sexta-feira.

Índia

As temperaturas na Índia devem cair para até 3 graus Celsius (37 Fahrenheit) em algumas áreas do norte em janeiro e fevereiro antes de se recuperarem. Ao contrário de outras nações, o clima mais frio normalmente leva a um menor consumo de energia à medida que diminui a demanda por ar-condicionado.

Mais importante ainda, o país está antecipando um período mais seco após o final da estação das monções. As principais regiões de mineração de carvão sofreram inundações nos últimos meses, que provocaram uma redução no fornecimento do combustível usado para produzir cerca de 70% da eletricidade do país.

Além dos eventos ligados ao La Niña, existem outros fatores que podem afetar o inverno da região, de acordo com Todd Crawford, diretor de meteorologia da Atmospheric G2. A mudança climática levou à falta de gelo no mar de Kara, no Ártico, o que pode estar contribuindo para o aumento da pressão nessa área. Isso leva a condições mais frias rio abaixo em todo o nordeste da Ásia, “como o que aconteceu no inverno passado”, disse ele.

Também há indicações de que o vórtice polar - uma cintura de ventos que seguram o frio no pólo - pode ser mais fraco do que o normal no início do inverno, o que permitiria que o ar frio se espalhasse para o sul, disse Crawford.

“Somando tudo isso, achamos que a melhor janela para um frio rigoroso no nordeste da Ásia neste inverno será no final de novembro até meados de janeiro”, disse ele. “É aí que pensamos que está o maior risco.”

--Com assistência de Ann Koh, Brian K Sullivan e Atul Prakash.

Veja mais em bloomberg.com