Tempo de leitura: 5 minutos

Dois anos atrás, uma oferta pública inicial fracassada fez da WeWork Inc. o garoto-propaganda dos excessos das startups e do fracasso da governança corporativa. Hoje, o provedor de escritórios compartilhados finalmente se juntou aos mercados de acesso público, tendo concluído uma fusão com uma firma de cheque em branco, a BowX Acquisition Corp. Suas ações serão negociadas na Bolsa de Valores de Nova York e o ticker é, claro, “WE”.

Esta tem sido uma experiência de correção para o WeWork e parece que a empresa aprendeu sua lição. Mas temo que o mesmo não seja verdade para startups e o financiamento de venture capital em geral. A exuberância desenfreada nos mercados de private equity de hoje significa que um desastre do tipo do WeWork provavelmente acontecerá novamente. E, da próxima vez, pode acontecer depois que a empresa for listada, o que significa que investidores comuns se machucarão.

O WeWork passou por reformas substanciais desde que o seu IPO em 2019 e o principal financiador do SoftBank Group Corp. teve que socorrê-lo. A empresa se afastou do fundador “mão aberta”, Adam Neumann, e se alinhou a uma administração mais sensata, cortou custos, fechou locais particularmente não lucrativos e vendeu uma miscelânea de atividades não essenciais e ativos insignificantes, como seu jato Gulfstream, muitas vezes, por menos do que pagou. Antes avaliado pelo SoftBank em US$ 47 bilhões, seu valor de mercado hoje - cerca de US$ 8 bilhões, excluindo a dívida líquida - também é muito mais modesto, apesar de ainda continuar perdendo muito.

Infelizmente, muitas das condições que permitiram a ascensão do WeWork não desapareceram: incluem avaliações altíssimas do mercado de private equity, excesso de capital barato perseguindo a “próxima grande novidade”, a idolatria de fundadores “visionários” com pouco limite sobre seu poder e a contínua predileção do mundo da tecnologia por ajustes contábeis questionáveis (semelhante ao muito ridicularizado Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado pela comunidade do WeWork.

Além disso, pelo menos uma barreira importante contra os excessos do tipo do WeWork foi corroída desde 2019. Muitas startups, assim como a WeWork está fazendo, agora optam por abrir o capital por meio de uma fusão com empresas de aquisição de propósito específico (Spac), um processo menos rigoroso do que um IPO tradicional.

PUBLICIDADE

As gestoras de investimento estão se empanturrando de startups como se o desastre do WeWork nunca tivesse acontecido. O financiamento de venture capital atingiu um recorde de US$ 438 bilhões nos primeiros nove meses deste ano, um valor que excede em muito o total implantado em 2020, de acordo com o provedor de dados CB Insights.

Excesso de capital

Não se trata mais apenas de VCs da velha escola em busca de negócios. Além do SoftBank, novos investidores não tradicionais, como family-offices, fundos mútuos, fundos de pensão, fundos soberanos e fundos de hedge, aderiram ao frenesi. Com tanta concorrência, as empresas de capital de risco mais prolíficas estão emitindo novos cheques a cada dois dias úteis, possivelmente limitando sua capacidade de conduzir a devida diligência.

E as avaliações continuaram a inflar: há agora quase 850 unicórnios - startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão - mais de 50% a mais do que há um ano.

Unicórnios não são únicos

Claro, existem muitos unicórnios sérios com softwares ou tecnologias sofisticadas que merecem sucesso na obtenção de recursos. Seus fundadores costumam ser geeks inteligentes, não showmen como Neumann. A pandemia deu outro impulso à economia digital, então você espera que os números e as avaliações dos unicórnios aumentem. (O WeWork, também, deve lucrar com a mudança para um trabalho mais flexível.)

PUBLICIDADE

Mas a prova desses valuations de private equity só virá depois que essas empresas forem listadas na bolsa de valores e terem suas ações negociadas publicamente por um tempo. Até Elon Musk, que se beneficiou mais do que ninguém com os mercados em alta, é cético em relação aos preços multibilionários atribuídos a empresas rivais de veículos elétricos em estágio inicial, algumas das quais quase não têm receita, quanto mais lucros.

No entanto, é um momento brilhante para fundar uma startup. Conscientes de que, de outra forma, poderiam perder a oportunidade de investir, os VCs se esforçam para parecer amigáveis aos fundadores de startups e alguns exigem pouco em troca de seu dinheiro. Uma das mais prolíficas firmas de investimento de Nova York, a Tiger Global Management LLC, normalmente não insiste em assentos no conselho, por exemplo.

Graças às ações de duas classes com direitos de voto extras, os fundadores costumam manter o controle, como fez Neumann até sua defenestração. (No Reino Unido, onde tais acordos tendem a ser recebidos com mais ceticismo, o fundador da THG Plc na semana passada concordou em desistir dos direitos especiais de ações depois que despencaram as ações da empresa de comércio eletrônico recentemente listada).

Embora muito barulho tenha sido justificadamente feito sobre os arranjos financeiros de autosserviço de Neumann, ele dificilmente é o único chefe de uma startup a fechar um bom negócio. Cada vez mais os fundadores recebem pacotes de compensação de nove dígitos com milhões de dólares para retê-los e motivá-los. Os fundadores já possuem lotes de ações, então tendo a ver esses pacotes de pagamento como desnecessários. Jeff Bezos da Amazon.com Inc não teve problemas com isso.

A visão otimista sobre a desastrosa tentativa de listagem da WeWork em 2019 é que o processo de seleção do IPO funcionou como deveria: a empresa foi forçada a ouvir o feedback dos investidores em potencial, como observou o chefe do Goldman Sachs Group Inc. David Solomon. O WeWork não escondeu suas fraquezas e extravagâncias: elas foram detalhadas em seu prospecto de IPO, pelo qual os subscritores - Goldman, JPMorgan Chase & Co e outros - eram responsáveis também.

PUBLICIDADE

É preocupante, então, que muitas startups estão dispensando IPOs e estão listando suas ações por meio de Spacs. O antecessor de Solomon, Lloyd Blankfein, alertou que as fusões da Spascs não têm as mesmas proteções de subscritor direto. A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA tem preocupações semelhantes.

Para ser claro, não estou sugerindo nenhum problema com a diligência do WeWork da BowX - até agora, a empresa foi analisada de uma forma mais rigorosa do que a maioria que posso imaginar. Ainda assim, recentes fracassos de empresas de cheque em branco como Nikola Corp., cujo ex-presidente-executivo exagerou suas capacidades tecnológicas, e Lordstown Motors Corp., que fez declarações imprecisas sobre as encomendas de veículos, mostram o que pode dar errado.

O dinheiro fácil, a adulação do fundador e a negligência do conselho que deram origem aos piores excessos do WeWork ainda estão entre nós. E os Spacs simplesmente colocam mais combustível nessa mistura incendiária.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Chris Bryant é colunista da Bloomberg Opinion cobrindo empresas do setor industrial. Ele trabalhou anteriormente para o Financial Times.

Veja mais em bloomberg.com/opinion