Negócios

Pouco a pouco, mulheres ganham terreno no comando de petroleiras

Royal Dutch Shell nomeou Zoe Yujnovich, veterana do setor de energia, para liderar a divisão de produção e exploração, a partir de 25 de outubro

Mulheres assumem cargos de direção no setor
Por Laura Hurst
15 de Outubro, 2021 | 04:14 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

As maiores empresas de petróleo e gás da Europa ainda não viram uma mulher assumir o comando, mas sua representação na mesa principal melhora gradualmente.

Na sexta-feira, a Royal Dutch Shell nomeou Zoe Yujnovich, veterana do setor de energia, para liderar a divisão de produção e exploração, a partir de 25 de outubro. Ela também fará parte do comitê executivo da empresa ao lado da diretora financeira, Jessica Uhl, atualmente a única mulher no time.

O equilíbrio de gênero no comando da Shell vai espelhar a liderança da francesa TotalEnergies, com duas mulheres e seis homens no comitê principal.

A BP é a petroleira mais próxima da paridade depois de nomear Anja-Isabel Dotzenrath para liderar a unidade de baixo carbono a partir de março de 2022. Com a mudança, o comitê executivo de 12 membros da empresa com sede em Londres precisará de apenas mais uma mulher para alcançar o equilíbrio de gênero.

PUBLICIDADE

As mulheres representam quase metade da força de trabalho global, mas respondem por apenas 22% da indústria de petróleo e gás, de acordo com pesquisa da Agência Internacional de Energia. Esse número cai para menos de 15% dos cargos de alto escalão em setores que refinam derivados de petróleo e extraem petróleo e gás, segundo a pesquisa.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Summers defende retirada mais rápida de estímulo pelo Fed

PUBLICIDADE

Petróleo Brent atinge US$ 85 e mira sexta semana de ganhos

Eleições 2022: Lula prepara discurso para mercado