promo
Internacional

Alívio nas restrições contra Covid gera divisão em Singapura

Nação insular parece mais um exemplo de como é desafiador estabelecer uma flexibilização da estratégia de eliminação da Covid

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Apenas algumas semanas atrás, Singapura parecia uma garota-propaganda sobre como lidar com a pandemia. Com mais de 80% de sua população totalmente vacinada e um roteiro em vigor para flexibilizar as medidas de restrição contra a Covid-19, a cidade-estado parecia pronta para conviver com o vírus de uma forma que poucos países estavam.

Então, as taxas de infecção começaram a disparar.

Agora, a nação insular parece mais um exemplo de como é desafiador estabelecer uma flexibilização da estratégia de eliminação da Covid. Para outros lugares que adotaram uma abordagem de tolerância zero ao vírus - como China, Hong Kong e Austrália - é uma lição valiosa.

Para partes da própria população de Singapura, a mudança se tornou uma fonte de tensão, divisão e medo, o que representa um enigma de comunicação para as autoridades.

Embora o total de novos casos de Covid tenha caído na quinta-feira, 15 pessoas morreram, disse o Ministério da Saúde em um comunicado -- o maior número diário até hoje. A contagem inclui um jovem de 23 anos e outro de 34 anos, ambos com histórico de problemas de saúde.

Antes de setembro, menos de 70.000 dos 5,45 milhões de residentes do país haviam contraído a Covid - cerca de 1,2% da população. Atualmente os casos ultrapassaram 3.000 em alguns dias, um número verdadeiramente alarmante para muitos em uma cidade que viu apenas 29 mortes no primeiro ano do vírus.

Embora iniciativas que suspendem restrições a viagens aos Estados Unidos e à Europa tenham sido aplaudidas por empresas e pessoas cansadas do confinamento na pequena ilha, outros estão preocupados de que as coisas estejam indo rápido demais. A percepção de confusão nas mensagens do governo só contribuiu para a polarização, o que levou o primeiro-ministro a pedir unidade em um discurso transmitido pela televisão.

A frustração vem crescendo há meses, à medida que as restrições ao trabalho e às interações sociais foram atenuadas e, em seguida, reforçadas, às vezes em questão de semanas.

“Não invejo o governo”, disse Jeremy Lim, professor associado da Escola de Saúde Pública Saw Swee Hock, em Singapura. “É preciso ter um equilíbrio muito fino.”

“Todos nós temos apetites de risco diferentes. Temos diferentes preocupações econômicas e sociais ”, disse ele. “Mas nós somos pioneiros. Não existe um guia. ”

Mensagens Mistas

Quando a mensagem do governo mudou de uma política clara e bem-sucedida de manter o vírus longe para uma guinada na direção da reabertura, o sentimento público se dividiu.

“Não devemos prosseguir e reabrir totalmente, não quando estamos vendo 3.000 casos agora”, disse Rozanah Mohd Shah, uma dona de casa de 47 anos. Ela está preocupada com seu pai idoso, que está totalmente vacinado, mas vulnerável, tendo sofrido um derrame anteriormente.

“Ninguém realmente nos preparou para esta jornada de reabrir, e ninguém está realmente tentando nos explicar o que é necessário”, disse ela. “Tem sido uma grande confusão.”


Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Summers defende retirada mais rápida de estímulo pelo Fed

Petróleo Brent atinge US$ 85 e mira sexta semana de ganhos

Eleições 2022: Lula prepara discurso para mercado