PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Powell: meta de empregos não será atingida com problemas de abastecimento

Juros devem ficar estáveis entre 0% e 0,25%, mas obstáculos no suprimento são duradouros e representam riscos

Presidente do Federal Reserve
Por Craig Torres
28 de Setembro, 2021 | 11:44 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse que os gargalos no abastecimento duram mais que o previsto e que ele espera que as pressões inflacionárias permaneçam altas nos próximos meses.

Esses efeitos foram maiores e mais duradouros que o previsto, mas eles diminuirão e, ao fazê-lo, espera-se que a inflação caia e atinja nossa meta de longo prazo de 2%”, disse Powell em depoimento ao Comitê Bancário do Senado, no qual ele participa nesta terça-feira (28). “À medida que a reabertura continua, gargalos, dificuldades na contratação e outras restrições podem, mais uma vez, ser maiores e mais duradouras que o previsto, apresentando riscos de alta para a inflação”.

PUBLICIDADE

Ao mesmo tempo, disse Powell, os ganhos do mercado de trabalho desaceleraram no mês passado, especialmente em setores sensíveis à pandemia. A taxa de desemprego de 5,2% não representa o déficit no emprego, conforme indicado pelo fato de que a taxa de participação da força de trabalho não aumentou, acrescentou.

Na semana passada, os banqueiros centrais dos Estados Unidos deixaram a taxa básica de juros inalterada em uma faixa de 0% a 0,25% e disseram que reduzir os US$ 120 bilhões em compras mensais de ativos “pode ser justificado em breve” se a economia continuar a progredir em direção a seus objetivos.

Em coletiva de imprensa após a reunião, Powell disse que o teste de inflação para reduzir a compra de títulos foi concluído, ao passo que o teste de emprego “não está nem perto disso”.

PUBLICIDADE

Ele não discutiu a redução gradual das compras de ativos em seus comentários.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Presidentes regionais do Fed apoiam redução do estímulo

EUA: Pedidos iniciais por seguro-desemprego aumentam novamente

PUBLICIDADE