PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Islândia elege a primeira legislatura de maioria feminina da Europa

O bloco do primeiro-ministro Katrin Jakobsdottir, que reúne três partidos de esquerda e direita, aumentou sua representação em dois para 37 parlamentares

País, com forte dependência do turismo, renova parlamento
Por Ragnhildur Sigurdardottir e Ott Ummelas
26 de Setembro, 2021 | 11:07 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Islândia elegeu a primeira legislatura de maioria feminina da Europa em uma votação em que a coalizão governista de centro aumentou sua maioria após conduzir o país em meio à pandemia.

Cerca de 33 dos 63 assentos, ou 52%, no parlamento da Islândia, o Althingi, foram ganhos por mulheres na votação deste sábado.

PUBLICIDADE

O bloco do primeiro-ministro Katrin Jakobsdottir, que reúne três partidos de esquerda e direita, aumentou sua representação em dois para 37 parlamentares, de acordo com a emissora pública RUV.

As projeções não permitem chegar a uma conclusão de que a coalizão de Jakobsdottir terá de aceitar os apelos da esquerda por maiores gastos com saúde e as preocupações com as mudanças climáticas na nação insular do Atlântico Norte.

Em vez disso, o grupo ganhou um novo endosso dos eleitores depois de fazer com que a economia dependente do turismo da Islândia passasse por uma retração induzida pela pandemia.

PUBLICIDADE

Suporte mais forte

Os partidos no governo sinalizaram que a configuração atual deve continuar, mesmo quando eles pararam de assumir compromissos claros em seus primeiros comentários pós-eleitorais.

“Todos nós dissemos antes das eleições que se o governo mantivesse a maioria, seria normal haver negociações”, disse Jakobsdottir no domingo em transmissão da RUV. “Nada mudou lá.”

O ministro das Finanças e ex-primeiro-ministro Bjarni Benediktsson, que lidera o conservador Partido da Independência, disse que não buscará o cargo de primeiro-ministro, mesmo que seu partido mantenha a maior presença no parlamento.

A chamada “terra de fogo e gelo”, que forneceu muitos dos cenários deslumbrantes para “Game of Thrones”, tem procurado diversificar sua economia para evitar a repetição dos ciclos recentes de expansão e contração.

Motor de crescimento

PUBLICIDADE

No país, o turismo disparou na última década para se tornar o motor de crescimento da Islândia depois que a crise financeira global de 2008 desencadeou um colapso do setor bancário no país. Mas os turistas foram mantidos fora da Islândia por vários meses devido à pandemia de coronavírus.

A Islândia é o único país nórdico que não voltou aos níveis de atividade anteriores à crise, depois que sua economia despencou 6,6% em 2020. A economia de US$ 23 bilhões deve crescer 4% este ano, de acordo com o banco central.

Como na vizinha Noruega, que também realizou eleições neste mês, as preocupações com o aquecimento global surgiram como um tema de campanha, mas da mesma forma não conseguiram fazer uma diferença significativa no resultado.

PUBLICIDADE

O Partido Pirata anti-establishment, que busca a neutralidade de carbono para a Islândia até 2035, cinco anos antes do previsto, provavelmente verá um declínio em seu poder - assim como os social-democratas.

Enquanto o Movimento Esquerda Verde de Jakobsdottir perdeu três assentos no parlamento e o partido de Benediktsson manteve o número de seus parlamentares, o terceiro parceiro da coalizão - o Partido Progressista agrário - foi o vencedor claro.

“Temos uma política de manter a estabilidade econômica e continuar as melhorias sem extremos e turbulências”, disse o presidente do Partido Progressista e ex-premier Sigurdur Ingi Johannsson. “Sinto que essas opiniões venceram nestas eleições e são parte da grande vitória do meu partido.”


PUBLICIDADE