PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Lira pede fim de “bravatas” e diz que país precisa de diálogo

Sem citar nominalmente Jair Bolsonaro, presidente da Câmara disse que Constituição não será rasgada, defendeu o voto eletrônico e elogiou manifestantes que foram às ruas pacificamente

O presidente da Cámara de Diputados, Arthur Lira (PP-AL)
08 de Setembro, 2021 | 02:11 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) disse nesta quarta-feira (8) que é hora de dar um “basta” à escalada de tensões políticas, afirmou que o país não “aceita radicalismos” e se ofereceu para mediar a crise entre Executivo e Judiciário.

O pronunciamento foi o primeiro de Lira depois das manifestações de 7 de Setembro, quando o presidente disse que não mais cumpriria ordens do ministro do STF Alexandre de Moraes.

PUBLICIDADE

Lira não citou nominalmente Jair Bolsonaro nem fez qualquer menção à impeachment, mas fez gestos aos críticos do presidente.

“Conversarei com todos, e com todos os Poderes. É hora de dar um basta a esta escalada em um infinito looping negativo, bravatas em redes sociais, vídeos em um eterno palanque deixaram de ser um elemento virtual e passaram a impactar o dia-a-dia do Brasil de verdade”, afirmou

Em seguida, o presidente da Câmara falou dos problemas da economia real: “O Brasil que vê a gasolina chegar a R$ 7, vê o dólar valorizado em excesso e a redução de expectativas. Uma crise que infelizmente é superdimensionada nas redes sociais, que apesar de amplificar a democracia, estimula excitações e excessos.”

PUBLICIDADE

Logo depois, ele elogiou manifestantes apoiadores do presidente que foram às ruas, sem violência: “Em tempo, quero aqui enaltecer a todos os brasileiros que foram às ruas de modo pacífico. Uma democracia vibrante se faz assim: com participação popular, liberdade, respeito à opinião do outro”.

Mas procurou distanciar-se do discurso do presidente que cobra o voto impresso, que já foi derrotada na Câmara dos Deputados. Ele disse que eleição do ano que vem terá voto eletrônico.

“Vale lembrar que temos a nossa Constituição, que jamais será rasgada. O único compromisso inadiável e inquestionável que temos em nosso calendário está marcado para 3 de outubro de 2022, com com as urnas eletrônicas São nas cabines eleitorais, com sigilo e segurança, que o povo expressa sua soberania”, disse.

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.

PUBLICIDADE