Internacional

Xi planeja nova bolsa de valores para impulsionar pequenas empresas inovadoras

Pequim afirma que deseja aumentar a participação no financiamento de capital em seu sistema financeiro

Bloomberg Línea
Por Tom Hancock
04 de Setembro, 2021 | 04:38 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A China estabelecerá uma nova bolsa de valores em Pequim para fornecer financiamento para pequenas empresas inovadoras, disse o presidente Xi Jinping, enquanto Pequim tenta aumentar o papel do financiamento de capital em seu sistema financeiro.

Xi não deu uma data para a criação do novo conselho ou quaisquer outros detalhes, mas disse que iria “fornecer uma plataforma para pequenas e médias empresas inovadoras”. A National Equities Exchange And Quotations Co., uma bolsa existente com sede em Pequim que foi lançada em 2013, seria “reformada”, afirmou Xi na última quinta-feira, em discurso na capital da China.

Pequim afirma que deseja aumentar a participação no financiamento de capital em seu sistema financeiro dominado por bancos, como parte de uma campanha para reduzir os níveis de dívida em sua economia. O país lançou uma nova bolsa em Xangai, conhecida como “STAR Market” em 2019, para fornecer mais financiamento para empresas de tecnologia.

“Aprofundar a reforma do Novo Terceiro Conselho e estabelecer a Bolsa de Valores de Pequim é uma medida importante para implementar nossa estratégia nacional de desenvolvimento voltada para a inovação e continuar cultivando novos motores de desenvolvimento”, disse a Comissão Reguladora de Valores da China em um comunicado após o discurso. “É também uma medida importante para aprofundar a reforma estrutural do lado da oferta financeira.”

PUBLICIDADE

Xi não comentou nenhum dos recentes movimentos regulatórios do governo, que fazem parte de uma ampla campanha recentemente para controlar a plataforma de internet e as empresas de educação que abalaram os mercados financeiros nos últimos meses.

Durante o discurso em uma cúpula governamental sobre comércio de serviços, Xi enfatizou a abertura gradual da China ao investimento estrangeiro em setores de serviços como finanças e saúde, onde Pequim vê a introdução da concorrência estrangeira como uma parte fundamental da modernização de sua economia.

Xi disse que a China continuará abrindo serviços “explorando” a criação de uma zona de inovação designada para o comércio de serviços e por meio de uma “lista negativa” nacional. Essas listas foram emitidas anteriormente pela China para nomear setores proibidos de investimento, com investimentos em outras áreas sendo permitidos.

“A China está disposta a trabalhar com todas as partes para continuar a cooperação aberta”, disse Xi, acrescentando que a China “compartilhará as oportunidades de desenvolvimento do comércio de serviços, de modo a promover a recuperação e o crescimento da economia mundial”.

PUBLICIDADE

O colapso do turismo internacional, que despencou globalmente devido à pandemia, atingiu o comércio global de serviços. As importações e exportações de serviços da China caíram 15,7% com relação ao ano anterior, para 4,6 trilhões de yuans (US$ 712 bilhões) em 2020, principalmente devido ao forte declínio no turismo, de acordo com números oficiais.

Como os turistas chineses gastam muito mais no exterior do que os turistas estrangeiros gastam na China, o país tem um déficit persistente no comércio de serviços, ultrapassando 1,5 trilhão de yuans (US$ 232 bilhões) em 2019. Esse déficit diminuiu nos últimos anos devido ao rápido crescimento nas exportações de serviços, em parte devido ao sucesso no exterior de empresas de tecnologia, como a proprietária da TikTok, Bytedance Ltd.

A China restringe fortemente o acesso a empresas estrangeiras em alguns setores, como serviços digitais, efetivamente proibindo plataformas de redes sociais no exterior, como o Facebook, de atender aos consumidores no país. O país tem políticas mais restritivas ao comércio de serviços do que a média da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, segundo índice compilado pelo clube de economias majoritariamente ricas.

No entanto, a China abriu estrategicamente alguns setores nos últimos anos e sua restrição ao comércio de serviços viu um dos maiores declínios de qualquer país desde 2014, de acordo com a OCDE.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Millennial e LGBTQ, Leite luta para ser opção a Lula e Bolsonaro

PUBLICIDADE

Toshiba alerta sobre falta de chip de energia por mais um ano

Nova linha de relógios da Apple traz tela maior e mais dados

PUBLICIDADE