promo

Wall Street ainda é lenta para contratar universitários negros

Nos escritórios, o progresso é lento e são poucos os estagiários de faculdades negras que chegam a ser efetivados

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A intenção de Wall Street de combater o racismo no ano passado estimulou uma série de promessas, poucas mais específicas do que planos para apoiar faculdades e universidades historicamente negras. Kellye Blackburn, diretora de serviços de carreira da Universidade Estadual de Grambling, na Luisiana, disse que seu telefone não parava de tocar após o assassinato de George Floyd.

Agora, o ritmo está mais devagar.

O setor financeiro dirá que investiu bilhões de dólares para apoiar a equidade racial, e de fato investiu. Mas, nos escritórios, o progresso é lento para alunos de faculdades negras, de acordo com pessoas a par dos dados. Em todas essas instituições gigantescas, as esperanças de uma mudança revolucionária esbarram nas tradições de contratação arraigadas.

Enquanto o Goldman Sachs quase dobrou para 37 o número de estagiários das chamadas HBCUs - sigla em inglês para faculdades e universidades historicamente negras -, os formados conseguiram apenas mais três empregos em tempo integral do que no ano passado. No JPMorgan Chase, as contratações de estudantes das HBCUs caíram, embora os números do banco para graduados negros tenham aumentado em todos os campi. O Wells Fargo, que emprega centenas de milhares, mais do que dobrou o número de contratações em tempo integral e de trainees para 72 até maio.

Blackburn não consegue se livrar da sensação de que “muitas empresas estavam nos contatando para cumprir seus esforços de responsabilidade social corporativa” e gostaria de ver os bancos aumentarem sua presença em mais campi, especialmente os menores. Para alunos com interesse em finanças, colocar o pé na porta é apenas o começo. Eles estão ansiosos para mudar o sistema por dentro, com o objetivo de aumentar o patrimônio dos negros, incentivados pelo maior interesse e esperando que dure, de acordo com 16 alunos atuais e ex-alunos da Spelman, Morehouse e algumas das outras 100 ou mais instituições dedicadas à educação dos negros.

Todos os bancos anunciaram ajuda para as HBCUs, que forneceram cerca de 50 mil diplomas em 2018 e têm sido um motor para impulsionar profissionais negros há décadas. A maior parte das maiores empresas dos EUA prometeu expandir o recrutamento nessas universidades, enquanto trabalham para melhorar a diversidade em todos os níveis.

O Goldman prometeu US$ 25 milhões para um programa de cinco anos e pretende dobrar as contratações de estudantes de HBCUs até 2025. O Bank of America fez uma doação de US$ 10 milhões para um centro de empreendedorismo da Spelman e Morehouse. O Citigroup financiou uma incubadora de carreiras, enquanto o JPMorgan e o Morgan Stanley lançaram bolsas de estudo.

“Estou feliz que tudo isso esteja acontecendo”, disse Anisah Thomas, aluna da Spelman, sobre as iniciativas do setor. “Mas por que não estava acontecendo antes?”. Ela fez parte da equipe vencedora do novo programa Market Madness do Goldman, onde 125 alunos de HBCUs competiram para apresentar o melhor projeto. A equipe dela conseguiu US$ 1 milhão para a faculdade, e ela fará um estágio no banco no próximo ano.

Veja mais em bloomberg.com