PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Estilo de vida

Gafes no ‘Zoom’ causam demissões embaraçosas

Pesquisa mostra que executivos não confiam totalmente em um terço de sua equipe em trabalho remoto

Participantes diários nas chamadas do Zoom aumentaram de 10 milhões por dia no final de 2019 para 300 milhões em abril de 2020
Por Matthew Boyle
31 de Agosto, 2021 | 06:24 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Erros nas chamadas de zoom podem ser perigosos para sua carreira.

Quase um em cada quatro executivos despediu um funcionário por “escorregar” durante uma videoconferência ou audioconferência, e a maioria impôs algum tipo de ação disciplinar por gafes cometidas em reuniões virtuais, revelou uma pesquisa com 200 gerentes de grandes empresas.

A pesquisa, encomendada pela Vyopta Inc., que ajuda as empresas a gerenciar seus sistemas de comunicação e colaboração no local de trabalho, também descobriu que os executivos acreditam que um terço de suas equipes não tem um desempenho eficaz no trabalho remoto.

As conclusões ilustram como os trabalhadores ainda estão se acostumando a trabalhar remotamente, o que se tornou comum durante a pandemia de Covid-19.

PUBLICIDADE

Os participantes diários nas chamadas do Zoom aumentaram de 10 milhões por dia no final de 2019 para 300 milhões em abril de 2020, disse a empresa de conferência, e nas últimas semanas muitas companhias adiaram seus planos de retornar aos escritórios devido à disseminação da variante delta.

Alguns erros do Zoom, como o escritor da revista New Yorker Jeffrey Toobin sendo demitido por se expor inadvertidamente, foram bem divulgados.

Erros de reunião virtual incluem entrar em uma chamada atrasado, ter uma conexão ruim com a internet, compartilhar acidentalmente informações confidenciais e, claro, não saber quando silenciar a si mesmo.

Os deslizes podem prejudicar as empresas, levando a perda de clientes, oportunidades de vendas perdidas ou prazos perdidos, concluiu a pesquisa.

PUBLICIDADE

Mesmo assim, os executivos continuam apoiando o trabalho em casa, e quase três em cada quatro pesquisados pela Vyopta, sediada em Austin, Texas, planejam manter ou expandir o número de funcionários autorizados a trabalhar em uma programação híbrida nos próximos 12 meses.

A descoberta veio um dia depois de a Zoom Video Communications Inc. decepcionar analistas com sua previsão de vendas, fazendo com que suas ações caíssem cerca de 16% na terça-feira (31).

Com muitas escolas tendo retomado as atividades presenciais, escritórios reabrindo em algumas partes do mundo e aumentando a competição de empresas como a Microsoft Corp. e o Google, da Alphabet Inc., os investidores estão preocupados com o fim dos dias de crescimento robusto da Zoom.

A Vyopta disse que a Wakefield Research conduziu a pesquisa entre 30 de julho e 10 de agosto, com foco em 200 executivos em nível de vice-presidente ou superior em empresas com pelo menos 500 funcionários.

Veja mais em bloomberg.com