PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Mercado imobiliário de Londres mostra efeito do trabalho em casa

Declínio de 0,1% dos preços fez a capital do Reino Unido destoar das outras regiões, onde os preços dos aluguéis subiram quase 2% em média

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os aluguéis de residências particulares em Londres caíram em julho na comparação com o ano anterior, já que a possibilidade de trabalhar em casa significa que estar perto dos escritórios no centro da cidade não era mais uma prioridade para os trabalhadores.

O declínio de 0,1% dos preços fez a capital do Reino Unido destoar das outras regiões, onde os preços dos aluguéis subiram quase 2% em média, mostram os números publicados nesta quarta-feira pelo Office for National Statistics. Londres também registrou o ritmo mais lento de crescimento dos preços das casas durante a pandemia.

PUBLICIDADE

Além do “trabalho remoto mudando as preferências de moradia”, a capital também viu um excesso de oferta de imóveis para alugar, já que contratos de curto prazo se transformam em contratos de longo prazo, disse o ONS em um comentário.

O relaxamento da recomendação para se trabalhar em casa da Inglaterra fez pouco para encorajar os trabalhadores a voltarem aos escritórios, à medida que a temporada de festas se aproxima e muitas empresas introduzem políticas de trabalho híbridas para o longo prazo. Proprietários de imóveis no centro de Londres têm até agora ficado desapontados pelo ritmo de volta dos financistas para a capital, com os aluguéis até junho no popular bairro Tower Hamlets caindo 8,5% ano a ano, de acordo com Zoopla.

É uma imagem diferente da vista em outras partes do país. Excluindo Londres, os aluguéis no Reino Unido aumentaram 1,9% com relação ao ano anterior, com East Midlands e South West registrando as maiores elevações.

PUBLICIDADE

Londres também ficou atrás de todas as outras regiões no que se refere aos preços das casas, com os preços subindo apenas 6,3% no ano até junho - menos da metade da média nacional. Os valores de imóveis na capital ainda são quase o dobro da média nacional.

O valor médio de uma casa no Reino Unido saltou 4,5% em relação a maio, o maior aumento mensal desde abril de 2004, para um recorde de 265.668 libras (US$ 365.300), pois os compradores se apressaram em fechar negócios antes da redução gradual de isenção de impostos sobre as compras no final de o mês.

Uma redução de impostos de até 15.000 libras para os compradores alimentou um boom imobiliário desde que foi introduzida há 13 meses e motivou níveis recordes de transações. Mas em 1º de julho, o limite de desconto do imposto foi reduzido pela metade, limitando a economia no caso de uma casa de 500.000 libras a apenas 2.500 libras. A partir de 1º de outubro, o limite será revertido ao nível pré-pandêmico.Os preços das casas subiram mais rápido em junho na Inglaterra e no País de Gales do que na Escócia e na Irlanda do Norte. Dentro da Inglaterra, a divisão norte-sul ficou mais evidente, com Yorkshire e o Noroeste registrando os maiores ganhos. Isso reflete a demanda induzida pela pandemia por casas maiores, com mais espaço longe dos grandes centros urbanos.

Leia mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE