Finanças pessoais

O que o venezuelano consegue comprar com 1 dólar?

Coisas como pão, um café com leite, dois litros de gasolina ou um absorvente. Hashtag #SeCompraConUnDolar ocupou os assuntos mais comentados no Twitter no país

Venezuelanos usam hashtag para falar sobre a desvalorização da moeda do país
17 de Agosto, 2021 | 06:15 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Caracas — Desde a noite desta segunda-feira (16), os venezuelanos compartilharam na rede social Twitter o que conseguem comprar com um dólar, usando a hashtag #SeCompraConUnDolar (#DáParaComprarComUmDólar, em português). A hashtag logo ficou entre os principais assuntos do país. Na manhã da terça-feira, ainda estava entre as dez mais comentadas, em sétimo lugar.

Para ter um pouco de contexto, um dólar (R$ 5,30, pela cotação desta terça) equivale a mais de 4,13 milhões de bolívares, a moeda local.

Muitos, porém, afirmam estar na mesma situação da usuária identificada como Glamyr Lanz, que se diz funcionária pública.

“Quando cai meu salário de funcionária pública #DáParaComprarComUmDólar”

PUBLICIDADE

Assim como ela, existem cerca de 2,4 milhões de servidores públicos e 5 milhões de idosos na folha de pagamento do Estado venezuelano, e têm como base de cálculo para o que recebem um salário mínimo de 7 milhões de bolívares, que equivalem a 1,7 dólar, de acordo com o câmbio oficial desta terça-feira.

Juntos, empregados e aposentados representam cerca de um terço da população maior de idade da Venezuela. E eles não são os únicos. Esse salário mínimo também serve de base para o cálculo de uma parte do emprego formal privado.

No entanto, segundo dados divulgados recentemente pelo economista Omar Zambrano em encontro com correspondentes na Venezuela, 15% dos venezuelanos recebem dinheiro de outras fontes e mais da metade de seus salários apresentam algum grau de dolarização.

Mas isso não é garantia para os venezuelanos. No país, com a inflação que acelerou para 19% em julho, segundo dados não oficiais, a vida fica mais cara, até em dólares.

PUBLICIDADE

Conforme explica o economista Ángel Alvarado, existe uma política primária expansionista, que emite dinheiro por meio da liquidez, e uma política restritiva secundária, por meio de reserva legal, que faz os preços subirem mais rápido do que o câmbio.

Portanto, não é de se estranhar que muitos, ao chegarem ao supermercado em busca do que comprar com um dólar, fiquem como este usuário:

“#DáParaComprarComUmDólar é assim que eu fico quando vou ao mercado”

Em todo caso, é isso que os venezuelanos podem (e não podem) comprar com US$ 1.

30 pães num vendedor ambulante:

“#DáParaComprarComUmDólar 30 pães (15 pães franceses e 15 pães doces) na mercearia do meu compadre”

Um café:

“#DáParaComprarComUmDólar café com leite”

Duas cervejas long neck:

“#DáParaComprarComUmDólar duas cervejas por um dólar”

PUBLICIDADE

2 litros de gasolina em postos formais, mas apenas um no mercado informal

“#DáParaComprarComUmDólar dois litros de gasolina pelo preço internacional e um litro de gasolina superfaturada”

Duas passagens de ônibus em Caracas:

“#DáParaComprarComUmDólar duas passagens de ônibus”

Maço de cigarros:

“Um maço de cigarros #DáParaComprarComUmDólar”

UM absorvente:

“Na Venezuela, #DáParaComprarComUmDólar UM ABSORVENTE, acredite se quiser”

PUBLICIDADE

Um pouco de consciência?

“Na Venezuela. #DáParaComprarComUmDólar até um pouco de consciência”

O que não dá para comprar com US$ 1: um quilo de farinha de trigo

“Não #DáParaComprarComUmDólar um pacote de farinha; o venezuelano é o único povo que desvaloriza uma moeda que não é a de seu país e não aceita notas sujas, dobradas ou deterioradas, aceitas em qualquer país. Somos finos!”

Andreína Itriago

Andreína Itriago

Periodista venezolana (UCAB, Caracas) con maestría en Periodismo de Investigación, Datos y Visualización (URJC, Madrid) y postgrado en Community Manager & Social Media (UB, Barcelona). Suma quince años de experiencia en importantes medios de su país y del mundo. Más recientemente, corresponsal de EL TIEMPO. Profesora universitaria desde 2011.

PUBLICIDADE