Brasil

Arthur Lira diz que reforma tributária pode ser votada depois, se for a vontade do plenário

Assuntos como Imposto de Renda são dificieis de se chegar a acordo, disse presidente da Câmara

Presidente da Câmara de Deputados, Arthur Lira, discute se coloca proposta em votação
17 de Agosto, 2021 | 04:57 pm
Tempo de leitura: <1 minuto

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse que poderá não votar nesta noite a reforma tributária.

“Se não for da vontade do plenário, votaremos reforma depois”, disse o deputado, a jornalistas na Câmara dos Deputados, conforme a Bloomberg.

Segundo Lira, assuntos como Imposto de Renda são difíceis de se chegar a acordo. Tema como imposto de renda nunca terá acordo totalmente [na Câmara dos Deputados], disse o parlamentar.

A ordem do dia da Câmara começou há pouco com a discussão da Medida Provisória nº 1.042, que estabelece novas regras para cargos em comissão no Poder Executivo.

PUBLICIDADE

O relator da reforma tributária, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), disse ontem que não protocolaria mudanças em relação ao texto apresentado na última quinta. Não há acordo para a votação e o texto pode ser bastante emendado durante a tramitação.

Principais pontos do relatório de Sabino:

  • Dividendos de empresas serão taxados em 20% de Imposto de Renda
  • Regulamenta fundos baseados em índices de mercado, como ETFs
  • Nos fundos abertos, come-cotas passa a ser anual
  • FIDCs passam a pagar cota única de 15%
  • FIIs seguem isentos de IR, assim como fundos de investimentos em participações (FIP) e fundos de investimentos agroindustriais.

(ESTA REPORTAGEM ESTÁ EM ATUALIZAÇÃO)

Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.

PUBLICIDADE