PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

China pune dezenas de autoridades por negligência após surtos da variante delta

Mais de 30 oficiais em todo o país, de prefeitos a diretores de hospitais e aeroportos, foram acusados de negligência e má gestão de surtos locais

Autoridades de saúde esperam controlar o atual surto em duas a três semanas
Por Bloomberg News
09 de Agosto, 2021 | 07:34 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A China puniu diversas autoridades por falharem em conter um surto de Covid-19 que gerou quase 900 infecções sintomáticas em todo o país em menos de um mês, um ressurgimento que complica a estratégia de Pequim de manter o vírus completamente fora do país.

A cidade de Yangzhou, no leste da China, emitiu advertências a cinco autoridades por manuseio incorreto de testes em massa que, segundo eles, permitiam que o vírus continuasse se espalhando. A cidade ultrapassou Nanjing, origem do surto causado pela variante delta, sendo o maior hotspot na China, com 308 casos confirmados registrados até segunda-feira. Seis pacientes estão em estado grave e, caso algum deles venha a falecer, seria a primeira morte por Covid na China em mais de seis meses.

PUBLICIDADE

Mais de 30 oficiais em todo o país, de prefeitos e diretores de saúde locais a diretores de hospitais e aeroportos, foram punidos por negligência e má gestão de surtos locais, aponta o Global Times, tabloide apoiado pelo governo chinês.

A China enfrenta seu maior surto de Covid desde que reduziu a transmissão do vírus que surgiu pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan no final de 2019. O ressurgimento mais recente se espalhou por mais da metade das 31 províncias continentais. Embora a maioria da vasta população da China esteja vacinada, as autoridades não estão se arriscando a depender das vacinas e, em vez disso, seguiram seu manual de testes em massa e lockdowns direcionados para eliminar o vírus.

Testagem em Wuhan

PUBLICIDADE

Wuhan também viu novas infecções após o vírus ser controlado no início de 2020. Temendo que pudesse se espalhar ainda mais e atrair atenção global indesejada, autoridades de saúde locais testaram os 11,3 milhões de residentes da cidade neste fim de semana. Foram encontradas nove infecções transmitidas localmente.

Ao norte, a província de Henan, na região central da China, enfrenta um aumento no número de infecções enquanto continua se recuperando das enchentes que mataram mais de 300 pessoas em julho. Um foco originado um hospital na capital provincial de Zhengzhou agora se espalha para outras regiões.

Lou Yangsheng, secretário provincial do partido e oficial de mais alto escalão, prometeu extinguir o surto local até o final do mês. Ele instou as autoridades a fazerem cumprir as medidas de controle e prevenção de doenças da Covid nas áreas rurais.

As preocupações continuam altas de que o setor de manufatura da área, incluindo a enorme fábrica de produção do iPhone da Hon Hai Precision Industry Co. em Zhengzhou, e a SAIC Motor Corp., maior fabricante de automóveis da China, possa estar em risco se o vírus continuar a se espalhar e paralisações ou outras restrições. medidas de controle são implementadas.

Pequim há muito responsabiliza as autoridades locais pela invasão do vírus na China, culpando-as por não cumprirem com rigor as precauções e restrições, permitindo que pequenos focos se transformassem em grandes surtos em solo chinês. As ações disciplinares ocorrem no momento em que a variante delta rompe as defesas mais rígidas do mundo, expondo os limites da chamada abordagem Covid Zero para eliminar o vírus seguida por países da China à Austrália.

Ainda assim, Pequim não dá sinais de impulsionar sua estratégia. Autoridades de saúde esperam controlar o atual surto em duas a três semanas, se as medidas de contenção estiverem totalmente implementadas.

PUBLICIDADE

Em um comentário publicado no fim de semana, um ex-ministro da saúde rejeitou a ideia de “aprender a coexistir com o vírus”. Essa abordagem está sendo cada vez mais adotada em outros lugares, por economias ocidentais e alguns países anteriormente Covid Zero, como Singapura, que, em vez disso, dependerá de vacinas para limitar os danos do vírus.

Gao Qiang, o ex-chefe de saúde do país e atual consultor-chefe da China Health Economics Association, pediu às autoridades restrições mais rígidas.

Leia mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE