Agro

Exportações de frango crescem 16% em julho e têm melhor resultado mensal do ano

Brasil embarcou no mês passado 424,4 mil toneladas, que renderam ao país US$ 739,2 milhões, receita 48,4% superior à registrada no mesmo período do ano passado

Indústrias do setor registram em julho melhor desempenho do ano e o terceiro melhor da história do setor
05 de Agosto, 2021 | 07:31 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — As exportações brasileiras de carne de frango somaram 424,4 mil toneladas em julho, volume 16,4% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, segundo dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O resultado do mês passado representa o melhor desempenho de 2021 e o terceiro melhor da história do setor produtivo.

Em receita, as vendas de carne de frango totalizam em julho US$ 739,2 milhões, número 48,4% superior ao alcançado em julho de 2020, com US$ 498,2 milhões. O último registro de receita mensal de exportações do setor acima de US$ 700 milhões ocorreu em julho de 2018.

“Com mercados de alto valor agregado ocupando os primeiros postos entre os principais destinos, houve uma forte elevação no resultado final das vendas de julho, com impacto direto no saldo do ano. Neste contexto, houve o natural repasse dos custos de produção, que tem impactado os preços da proteína animal não apenas do Brasil, mas também no mercado internacional”, avalia o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Entre os principais mercados importadores, o principal destaque foi a China, com 63,1 mil toneladas exportadas em julho, número 4,5% maior do que o exportado no mesmo período de 2020. Assumindo o segundo lugar, o Japão importou 35,7 mil toneladas (+2,6%). Em terceiro lugar entre os principais importadores e destaque principal no mercado halal, os Emirados Árabes Unidos importaram 34 mil toneladas em julho (+75,7%). No quarto posto, a África do Sul importou 24,6 mil toneladas (+36%).

“A recuperação econômica de diversos países importadores e o aumento substancial no número de pessoas vacinadas contra o COVID no mundo tem colaborado para os volumes alcançados nos últimos meses. A tendência é de volumes altos nas exportações até o final do ano, neste contexto”, avalia o diretor de mercados, Luis Rua.

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE