Internacional

Cuomo enfrenta acerto de contas sobre alegações de abuso sexual

Relatório afirma que Cuomo criou um “clima de medo” em seu escritório e violou várias leis federais e estaduais de assédio

Nenhum aliado defendeu o governador de Nova York publicamente quanto às acusações
Por Ryan Teague Beckwith e Emma Kinery
04 de Agosto, 2021 | 02:40 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — Um relatório do procurador-geral de Nova York corroborando 11 alegações de assédio sexual pelo governador Andrew Cuomo deixou o ex-astro democrata isolado na terça-feira, com apelos ensurdecedores por sua renúncia por parte dos membros mais antigos de seu próprio partido na Casa Branca, Congresso, e na capital do estado, Albany.

Nenhum aliado veio publicamente em defesa do governador de 63 anos, que havia começado a arrecadar fundos antes de uma possível disputa por seu mandato em 2022. Até terça-feira, Cuomo havia evitado um colapso após algumas alegações terem se tornado públicas no final do ano passado, dizendo que as alegações possuíam motivação política e pedindo ao público que esperasse pelos resultados de uma investigação.

Mas esse argumento - repetido quase palavra por palavra em uma declaração em vídeo logo após a divulgação do relatório da Procuradora Geral Letitia James - soou vazio para os líderes democratas na sequência de novas alegações no relatório que incluíam toques indesejados e comentários pessoais sobre mulheres em sua equipe de escritório e um policial estadual em seu destacamento de segurança pessoal.

O relatório de 165 páginas afirmava, entre outras alegações, que ele apalpou as mulheres, fez comentários sobre suas aparências e vidas sexuais e disse-lhes que estava “sozinho” e “queria ser tocado”. Houve acusações de que ele agarrou os seios e as nádegas das mulheres e, em um exemplo particularmente marcante, ele passou um dedo nas costas da policial estadual enquanto ela estava na frente dele em um elevador para protegê-lo e depois acariciou seu abdômen perto dela coldre de arma.

PUBLICIDADE

Cuomo criou um “clima de medo” em seu escritório e violou várias leis federais e estaduais de assédio, disse o relatório. Os democratas de Nova York e Washington, que estavam esperando que James divulgasse as conclusões, achavam que ele deveria renunciar, incluindo o presidente Joe Biden e a presidente da Câmara, Nancy Pelosi. A lista de aliados que o abandonaram também inclui o candidato democrata a prefeito de Nova York, Eric Adams, a líder da maioria no Senado estadual Andrea Stewart-Cousins e sindicatos de funcionários públicos que sempre o apoiaram.

O presidente da Assembleia Carl Heastie, que foi criticado por alguns legisladores por atrasar uma revisão separada das reivindicações, emitiu uma declaração na terça-feira que estava “abundantemente claro que o governador perdeu a confiança da maioria democrata e que ele não pode mais permanecer no cargo.” Heastie disse que agirá rapidamente em uma investigação de impeachment que começou na primavera.

Em uma entrevista coletiva à tarde, Biden foi questionado se Cuomo deveria renunciar e respondeu “sim”. “Acho que ele deveria renunciar”, acrescentou ele quando pressionado ainda mais.

Pressão crescente

PUBLICIDADE

Parlamentares como Tom Suozzi, Gregory Meeks e Hakeem Jeffries concordaram, assim como o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, um democrata de Nova York, e a senadora de Nova York Kristen Gillibrand. Quatro governadores de estados vizinhos do Nordeste dos EUA também pediram a renúncia de Cuomo.

“Estamos chocados com as descobertas”, disseram Phil Murphy de Nova Jersey, Tom Wolf da Pensilvânia, Ned Lamont de Connecticut e Daniel McKee de Rhode Island na terça-feira à noite em um raro comunicado conjunto.

O relatório de James, conduzido por advogados externos Joon Kim e Anne Clark, foi revelado em uma coletiva de imprensa. Os investigadores analisaram 74.000 documentos, e-mails e textos e entrevistaram 179 pessoas que corroboraram as alegações.

Quando as alegações surgiram pela primeira vez, Cuomo tentou atrasar o dia do acerto de contas, solicitando que uma investigação completa fosse conduzida. Em comentários após a divulgação do relatório, ele novamente pediu uma pausa ontem, observando que uma ex-funcionário sugeriu que ela entraria com uma ação civil e dizendo que aguardava “uma revisão completa e justa perante um juiz e júri” sobre o assunto .

Cuomo também disse que “política e preconceito” estão entrelaçados em todos os aspectos do caso, reclamando sobre “julgamento por jornal” e “críticas tendenciosas” e se referindo ao “ambiente político superaquecido, senão tóxico”.

Uma das acusadoras, Charlotte Bennett, disse ao “CBS Evening News com Norah O’Donnell” que seu pedido de desculpas a ela em suas declarações anteriores “não era necessário. Foi falso.”

PUBLICIDADE

“Ele me assediou sexualmente. Não me confundi”, disse. “Estou vivendo na realidade e é triste ver que ele não está.”

Queda política

Cuomo pode enfrentar acusações criminais. O escritório da promotoria distrital de Albany County disse que analisaria o relatório de James como parte de uma “investigação criminal em andamento”.

A conclusão da investigação de James limita uma queda dramática para Cuomo, cujas coletivas de imprensa na televisão nos estágios iniciais da pandemia do coronavírus levaram a falar dele como um candidato potencial à presidência. Cuomo rejeitou os pedidos de candidatura à Casa Branca, dizendo que pretendia concorrer a um quarto mandato, algo que seu pai, o ex-governador Mario Cuomo, não conseguiu. A aprovação de Andrew Cuomo, que atingiu o pico de 77% em abril de 2020, caiu para 45% em uma pesquisa do Siena College em julho, praticamente igual à sua taxa de desaprovação.

PUBLICIDADE

Em uma declaração conjunta, uma dúzia de membros democratas da Câmara dos EUA de Nova York, incluindo os representantes Jerry Nadler e Alexandria Ocasio-Cortez, classificou o relatório sobre Cuomo de “profundamente perturbador, claro e completo” e citou sua própria declaração em 2013 apelando um deputado estadual deve renunciar imediatamente devido a alegações de má conduta sexual.

“Deve haver uma política de tolerância zero quando se trata de assédio sexual e agora devemos enviar uma mensagem clara de que esse comportamento não é tolerado”, eles citaram Cuomo dizendo recentemente, acrescentando: “Nós concordamos”.

O Comitê Judiciário da Assembleia, que estava investigando o impeachment, já havia planejado uma reunião em 9 de agosto para discutir as atualizações com seus advogados.

Um sindicato que representa 175.000 zeladores, funcionários de aeroportos e outras equipes de apoio de construção na costa leste disse em um comunicado na terça-feira que a organização estava “decepcionada” com os detalhes do relatório e que Cuomo deveria renunciar. O grupo disse que apoiaria os esforços para “trazer responsabilidade ao escritório com toda a rapidez deliberada” caso Cuomo não se demitisse.

PUBLICIDADE

“Criar ambientes de trabalho onde o assédio sexual não seja tolerado não é uma questão de política, mas de princípio, dos quais ninguém deve estar isento”, disse o presidente do sindicato, Kyle Bragg, em comunicado postado no Twitter.

Leia mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE