promo
Internacional

CEO da Legal & General vê desafios para retorno a Londres

Empresas no Reino Unido e ao redor do mundo buscam pistas sobre o futuro dos escritórios, e muitas agora permitem que os funcionários trabalhem em casa vários dias por semana

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O CEO de uma das maiores seguradoras do Reino Unido alertou que a cidade de Londres enfrenta mais desafios do que outros distritos de negócios do Reino Unido para atrair funcionários de volta às mesas.

Desde que as restrições da pandemia foram relaxadas, outros centros mostram maior atividade do que o principal distrito financeiro da capital, segundo Nigel Wilson, diretor-presidente da Legal & General Group. Ele disse que as empresas terão de intensificar os esforços nos “próximos anos” para voltar a ocupar os escritórios.

“O desafio que temos no Reino Unido é como fazer com que as pessoas voltem a trabalhar na cidade”, disse Wilson em entrevista à Bloomberg TV. “Se você viajar pelo resto do país, há muito mais atividade econômica acontecendo nas áreas centrais dessas cidades.”

A L&G revitalizou as unidades regionais como parte fundamental de sua tese de investimento, disse Wilson depois da divulgação dos resultados do primeiro semestre. O retorno sobre o patrimônio líquido da empresa subiu 22% contra aumento de 6,3% um ano antes, graças aos investimentos em ativos reais.

A atividade em Londres e no distrito rival de Canary Wharf aumentou recentemente depois do fraco movimento nas últimas semanas em meio à temporada de férias de verão, de acordo com o Índice Pret, que mede ao movimento nos restaurantes da rede Pret A Manger. Ainda assim, isso sinaliza que há um longo caminho a percorrer antes que as áreas voltem aos níveis pré-pandemia.

Empresas no Reino Unido e ao redor do mundo buscam pistas sobre o futuro dos escritórios, e muitas agora permitem que os funcionários trabalhem em casa vários dias por semana. O HSBC disse esta semana que reduziu sua pegada global de escritórios em cerca de 10% e deve diminui-la em aproximadamente 20% até o fim do ano.

Leia mais em bloomberg.com