ESG

BlackRock junta-se ao Citi com planos para desativar usinas a carvão

Para que o plano seja bem-sucedido, será necessário que os países se comprometam a não substituir o carvão eliminado por outros combustíveis fósseis

No início deste ano, o Citi se reuniu com grandes investidores institucionais em Londres para lançar um veículo destinado a adquirir minas de carvão e fechá-las antes de 2045
Por Krystal Chia
04 de Agosto, 2021 | 08:20 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A BlackRock Inc. e outras instituições financeiras importantes estão trabalhando em planos para acelerar o fechamento de usinas elétricas movidas a carvão na Ásia, buscando eliminar o uso dos piores contribuintes para as mudanças climáticas feitos pelo homem.

A maior gestora de ativos do mundo está se associando ao Citigroup Inc., HSBC Holdings Plc e ao Banco Asiático de Desenvolvimento para estudar as propostas, segundo pessoas a par do assunto, que pediram anonimato para discutir um assunto privado. A BlackRock está avaliando os planos por meio de sua unidade de ativos reais, disse uma das fontes.

As propostas, lideradas pelo Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB, na sigla em inglês) e Prudential Plc, envolvem a compra de usinas de carvão em economias em desenvolvimento na Ásia e sua operação por até 15 anos antes de fechar as instalações antes do cronograma atual. O plano foi relatado pela primeira vez pela Reuters.

O ADB não conseguiu confirmar imediatamente as identidades dos parceiros propostos. Representantes do Citi e da BlackRock não quiseram comentar. O HSBC não respondeu imediatamente às solicitações de comentários por e-mail.

PUBLICIDADE

Mesmo com os governos estabelecendo metas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, o carvão continua sendo a principal fonte de energia para muitos países da Ásia, com China e a Índia respondendo por dois terços da demanda global. Prevê-se que o consumo nos principais mercados aumente nos próximos anos e a geração de eletricidade a carvão pode bater um recorde em 2022, de acordo com a Agência Internacional de Energia.

Ao adquirir e operar as usinas a um custo de capital menor do que o atualmente disponível para os operadores comerciais, o ADB e os parceiros seriam capazes de gerar retornos semelhantes em um período mais curto, facilitando o fechamento antecipado dos ativos, informou a Reuters.

Espera-se que o financiamento do plano do ADB venha de instituições públicas e privadas, embora as metas não tenham sido definidas, segundo Ahmed M Saeed, vice-presidente do credor para o Leste Asiático, Sudeste Asiático e Pacífico.

O ADB está atualmente em negociações com os governos do Vietnã, Indonésia e Filipinas sobre a proposta e pode ver uma aquisição piloto que é “grande o suficiente para importar” no próximo ano, disse Saeed. O ADB planeja começar a arrecadar fundos na conferência climática COP26 em novembro.

PUBLICIDADE

Para que o plano seja bem-sucedido, será necessário que os países se comprometam a não substituir o carvão eliminado por outros combustíveis fósseis, acrescentou Saeed. O prazo de 15 anos permitirá um planejamento suficiente e ajudará a evitar consequências, como as regiões pobres perderem repentinamente o acesso ao aquecimento, disse ele.

No início deste ano, o Citi se reuniu com grandes investidores institucionais em Londres para lançar um veículo destinado a adquirir minas de carvão e fechá-las antes de 2045.

Leia mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE