Após escândalo com a Archego, o banco demitiu nove pessoas e tem acrescentado funcionários à sua divisão de riscos.
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Opinion — As falhas generalizadas e duradouras na divisão de gestão de risco do Credit Suisse Group AG expostas pelo escândalo da Archegos foram detalhadas minuciosamente na quinta-feira. O banco suíço começou a abordar cada fraqueza, uma por uma. É necessário transformar essas medidas em uma revisão cultural total.

A implosão da Archegos Capital Management ocorreu rapidamente em março. O apoio imprudente do Credit Suisse às posições alavancadas de ações da empresa familiar custou mais de 5 bilhões de francos suíços (US$ 5,5 bilhões) diretamente após ter sido forçado a liquidar sua exposição. Ainda assim, os riscos dessa explosão vinham crescendo há anos, de acordo com um relatório independente sobre a crise. A equipe do Credit Suisse estava ciente, mas deixou o incidente acontecer.

PUBLICIDADE

Apesar das controvérsias anteriores, o Credit Suisse decidiu não impor uma estrutura de conformidade reforçada à Archegos. E a Archegos repetidamente levou a melhor sobre o banco. A cliente favorecida convenceu o negócio de serviços prime do banco, que cuida de fundos de hedge, a avaliar o risco de sua carteira de forma diferente. Isso significava que a empresa enfrentava demandas menos onerosas para postar margens que apoiavam suas posições alavancadas. Os gerentes de risco do negócio prime impunham algumas condições para esse tratamento especial, mas ainda assim deixavam a Archegos operar com essa estrutura menos rigorosa.

Esse padrão se repetiria por anos, até que Archegos finalmente implodiu. Em 2020, como a exposição estava aumentando, a unidade prime queria apenas que a empresa familiar passasse por um teste de estresse de uma “semana ruim”, em vez de passar por um colapso completo do mercado. E assim foi.

PUBLICIDADE

Em setembro, um gerente de risco de fora do negócio de serviços prime alertou que ninguém na unidade tinha coragem de enfrentar a cliente. No entanto, essa preocupação não levou a lugar nenhum, embora o Credit Suisse estivesse, na época, tentando aprender com outro inadimplemento de um fundo de hedge. Somente no final de março, quando as empresas rivais já estavam lutando para reduzir a exposição, o chefe do banco de investimento foi informado do que estava acontecendo.

Segundo o relatório, a empresa tinha informações para entender a magnitude desses riscos “visíveis”, mas não agiu. A falha tem muitos aspectos: estruturas de gestão com duas lideranças significavam o comando não era realmente claro; a liderança que foi esticada; uma função de gerenciamento de risco esvaziada e com pouca experiência devido ao corte de custos; uma estrutura organizacional baseada em silos.

PUBLICIDADE

Como costuma acontecer, a equipe com menos tempo de casa soou o alarme. E ainda assim, ela foi rejeitada por seus superiores. O problema fundamental é a falta de escalada desses alertas para níveis mais altos da organização. Esse é um problema intrínseco de cultura e governança. Por muito tempo, muitas pessoas sabiam que a Archego representava riscos; mesmo assim, a situação piorou. A diretoria descobriu apenas quando era tarde demais.

A resposta do Credit Suisse foi demitir nove pessoas e abater US$ 70 milhões em bônus para 23 pessoas. O grupo está reduzindo os cochefes, revisando grandes exposições e limites de alavancagem, adicionando funcionários na divisão de riscos e tem um novo Diretor de Risco vindo do Goldman Sachs Group Inc. Quando uma empresa precisa tomar tantas medidas corretivas, vale a pena perguntar se vale a pena atuar no setor de serviços prime. Mas essa é uma linha de negócios difícil de deixar, dado o valor dos relacionamentos dos fundos de hedge com outras partes da empresa.

PUBLICIDADE

Os resultados trimestrais do Credit Suisse foram fracos, o que é de se esperar, considerando a crise que o banco enfrenta. As saídas da unidade de gestão de fortunas no início do trimestre estabilizaram posteriormente. A receita do negócio de banco de investimento caiu 23% no anualizado, chegando em US$ 2,3 bilhões, excluindo os efeitos da Archegos. O lucro líquido do grupo caiu 78%, chegando em 253 milhões de francos suíços. Com os banqueiros migrando para empresas rivais, é difícil saber agora qual é realmente a força subjacente do negócio. As ações caíram 2%.

A mudança cultural começa de cima, e o Credit Suisse tem pelo menos um novo presidente na forma de Antonio Horta-Osorio, e há ainda um novo chefe do banco de investimento. O banco ainda enfrenta sérias questões sobre seu direcionamento estratégico. Contudo, se existe uma única prioridade para a nova liderança, esta deve ser garantir que as pessoas se sintam capacitadas a falar e saber que terão retorno. Do contrário, isso vai acontecer novamente.

Leia mais em bloomberg.com