Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Os EUA têm negligenciado o investimento na sua força de trabalho há décadas, então é uma boa notícia que a SEC (Comissão de Valores Mobiliários) esteja considerando lançar novas regras que exigem que as empresas divulguem dados sobre diversidade, além de níveis de remuneração e rotatividade de pessoal. Os investidores estão cada vez mais exigindo essas informações, pois têm uma visão mais ampla do que determina o sucesso corporativo.

Esse é um passo importante em direção à responsabilidade social que precisamos dos executivos para garantir que os trabalhadores sejam incluídos na recuperação econômica no pós-pandemia. Para realmente entender o que as empresas chamam de capital humano, a SEC e outros reguladores precisam solicitar uma série de informações detalhadas que afetam o bem-estar dos funcionários e sua produtividade, desde recompensas até treinamento.

Há um paralelo com os relatórios climáticos, também sob o microscópio da SEC, em que o foco se expandiu nos últimos anos das emissões diretas de uma empresa para incluir a produção de gases de efeito estufa em sua cadeia de abastecimento. Deixar de fora as pessoas que estão menos ligadas a uma empresa - freelancers e trabalhadores eventuais, por exemplo - dá, na melhor das hipóteses, uma imagem parcial, assim como divulgar apenas as emissões diretas faria para a pegada de carbono de uma corporação.

Um relatório de 2019 da Economist Intelligence Unit descobriu que trabalhadores temporários, muitas vezes contratados para projetos e por curtos períodos, representavam mais de um quinto da força de trabalho em mais de 50% das grandes empresas dos Estados Unidos e do Reino Unido. É um número muito grande para ser ignorado.

Por meio da Workforce Disclosure Initiative, lançada em 2016, sabemos que essa questão é importante para os maiores investidores do mundo e que eles querem mais dados. Veja, por exemplo, o caso da oferta pública inicial da Deliveroo, quando os principais gestores de fundos, incluindo Aberdeen Standard Investments e Aviva Investors, se recusaram a participar devido a questões sobre os direitos dos trabalhadores. Tal como acontece com a maioria das empresas que lançaram a economia gigante de hoje, os passageiros e motoristas da Deliveroo são tecnicamente autônomos e, portanto, não têm direito a férias ou auxílio-doença. A estreia foi um desastre.

PUBLICIDADE

Assim como acontece com as divulgações climáticas, a transparência impulsionará a ação da empresa. Considere a pesquisa de clima do CDP, uma organização sem fins lucrativos que ajuda as empresas a divulgar e compartilhar informações verdes. Quando as empresas respondem pela primeira vez, apenas 38% relatam ter uma meta de emissões em vigor. No terceiro ano, esse valor sobe para 69% - um salto notável, mesmo que a maioria das adesões já esteja motivada para melhorar.

Se isso se traduzisse em práticas de força de trabalho, o aumento das divulgações de dados detalhados sobre a força de trabalho afetaria a vida de milhões de americanos. As propostas da SEC para exigir a divulgação de dados de diversidade e tipos de contrato - quantos funcionários permanentes e temporários uma empresa tem - permitiria aos investidores e à sociedade civil ver as organizações, identificar as melhores práticas e exigir mais do resto. Isso ajudará a elevar o nível de igualdade de oportunidades e garantir empregos.

Um estudo de 2019 do National Bureau of Economic Research concluiu que a introdução de relatórios obrigatórios sobre as diferenças salariais entre homens e mulheres na Dinamarca reduziu a diferença em 13% - um bom começo.

Há amplo apoio nos EUA para essa transparência. Em 2019, a Coalition for Inclusive Capitalism estabeleceu uma comissão bipartidária, composta por uma ampla gama de figuras públicas e empresariais, incluindo CEOs, líderes cívicos, representantes dos trabalhadores, economistas e acadêmicos, procurando identificar os elementos para a construção de uma economia mais inclusiva.

PUBLICIDADE

Entre suas recomendações, a comissão pediu o desenvolvimento de padrões de divulgação uniformes e obrigatórios abrangendo toda a gama de partes interessadas das empresas, em particular os trabalhadores.

As empresas estão começando a reconhecer os benefícios da divulgação, e algumas estão coletando e divulgando informações sobre a força de trabalho de forma proativa: No ano passado, 141 das maiores empresas do mundo responderam à Workforce Disclosure Initiative.

Algumas já estão relatando um impacto positivo na diversidade, inclusão e condições de trabalho, mesmo quando se trata de seus contratados e fornecedores.

Mas o número de empresas que adotam essas práticas está ainda longe de ser suficientes. Isso apesar das evidências crescentes de que maiores investimentos em salários e trabalhadores trazem melhores resultados para os empregadores e que empresas mais diversificadas também são mais lucrativas.

O S em ESG - práticas ambiental, social e governança - está apenas começando a se registrar para os investidores, sentado em algum lugar perto de onde o E estava no início. Mas levou 20 anos para que a divulgação ambiental amadurecesse.

PUBLICIDADE

Com a recuperação econômica da América e o sustento de milhões de trabalhadores em jogo, os reguladores devem agir com urgência.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Paul Dickinson é presidente da ShareAction, que fundou e hospeda a Workforce Disclosure Initiative. Ele foi cofundador da plataforma de divulgação ambiental CDP. Meredith Sumpter é presidente-executiva da Coalition for Inclusive Capitalism. Ela foi anteriormente chefe de pesquisa e estratégia na empresa de consultoria de risco político Eurasia Group.

Mais histórias como esta estão disponíveis em bloomberg.com/opinion