Brasil

Brasília em Off: O que Guedes perdeu não volta mais

Chefe da Economia quer o Ministério do Trabalho de volta, mas isso não deve acontecer nunca mais, segundo fonte

Ministro Lorenzoni passará a participar da divulgação do Caged, após assumir a pasta do Trabalho
Por Martha Beck
30 de Julho, 2021 | 10:23 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O ministro da Economia, Paulo Guedes, até tem defendido junto ao Presidente Jair Bolsonaro que o Ministério do Trabalho retorne para suas mãos depois que o novo chefe da pasta, Onyx Lorenzoni, sair do cargo para concorrer ao governo do Rio Grande do Sul em 2022. Mas isso não vai acontecer. Assim que a recriação da pasta veio a público, representantes de centrais sindicais e aliados do centrão já começaram a se movimentar para ocupar cargos -- pressão que só tende a aumentar com a aproximação das eleições. Esse Ministério não volta nunca mais para a Economia, afirma um integrante da equipe de Guedes.

Ciúmes

De todas as áreas que estão sob sua batuta, Guedes achou menos pior perder o Ministério do Trabalho para acomodar aliados no governo. Isso, no entanto, não evitou que ele ficasse com ciúmes em perder o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O ministro transformou em hábito participar da entrevista coletiva em que os números do mercado formal de trabalho são divulgados. Isso aconteceu depois que os números passaram a ser uma vitrine para a retomada do crescimento. Essa semana as agendas foram rearranjadas para que Guedes ainda pudesse estar lá. Mas o holofote, de agora em diante, será de Onyx.

Paternidade

PUBLICIDADE

Guedes, no entanto, não desistiu da paternidade de programas de retomada do emprego que estavam sendo preparados por sua equipe e que agora estarão submetidos ao novo ministro. O Bônus de Inclusão Produtiva (BIP), que tem como objetivo estimular a contratação de jovens, e o Bônus de Incentivo à Qualificação (BIQ) ainda não foram anunciados por falta de acordo sobre como financiar as iniciativas. A aposta é que o ministro continuará a dar pitacos, especialmente porque conseguiu manter o principal nome de sua equipe na área de Trabalho, Bruno Bianco, na nova pasta.

Quem tudo quer...

A reforma ministerial trouxe à memória de integrantes da equipe econômica a ironia que é para Guedes perder para Onyx uma pasta importante que estava sob seu comando. Quando chegou à Secretaria-Geral da Presidência, Onyx tentou tirar da Economia e trazer de volta para suas mãos a Secretaria do Programa de Parceria de Investimentos (PPI). Guedes bateu o pé. Agora vai ter que abrir mão de uma fatia muito maior.

Mudar para não perder tudo

PUBLICIDADE

A transformação da secretaria especial de Fazenda na secretaria especial do Tesouro e Orçamento foi uma tentativa de Guedes de tentar segurar as pressões do centrão por novos desmembramentos de sua pasta e pela recriação do Ministério do Planejamento. Ao amarrar Tesouro e Orçamento, o ministro constrói o argumento de que é preciso juntar todo o ciclo orçamentário num lugar só: as receitas e a execução dos gastos públicos.

Agenda ambiental

Desde a eleição de Joe Biden, o governo americano vem cobrando do Brasil ações mais concretas na área ambiental como uma forma de abrir caminho para investimentos ESG no país. Em reuniões na Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, no entanto, o governo tem passado aperto. Em encontro recente, o secretário especial de Comércio Exterior, Roberto Fendt, teve que ouvir que o Brasil está deixando a desejar e perdendo a chance de ampliar o rol de investimentos de empresas americanas.

Tweets da semana

Leia mais em bloomberg.com