Negócios

BC aprova cisão da participação do conglomerado Itaú Unibanco na XP

Análise do Banco Central descartou possíveis riscos à concorrência do setor com a alteração societária acordada entre as duas instituições financeiras

Decisão do BC de aprovar cisão da participação do Itaú Unibanco na XP foi tomada na última sexta-feira
27 de Julho, 2021 | 10:24 am
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — O Banco Central informou, nesta terça (27), que aprovou a cisão da participação do conglomerado Itaú Unibanco na XP. A decisão foi tomada no último dia 23 e confirmada hoje em nota divulgada pelo BC.

“De modo geral, tal alteração decorreu da transferência das ações da XP Inc. de titularidade do Itaú Unibanco S/A para a XPart, uma nova empresa do grupo econômico Itaú, com sede nos Estados Unidos e não pertencente ao conglomerado bancário. A XPart, por sua vez, torna-se parte do acordo de acionistas com a XP, com os mesmos direitos e obrigações atribuídos até então ao Itaú Unibanco, de modo que o conglomerado bancário do Itaú Unibanco deixa de participar da administração da XP”, diz o comunicado do BC.

Segundo a instituição, o aval ocorreu após uma “análise concorrencial e prudencial” do caso.

“Não se verificaram riscos prudenciais ou concorrenciais para o Sistema Financeiro Nacional (SFN) nessa alteração organizacional. Não obstante, é importante ressaltar que o Banco Central do Brasil permanecerá vigilante aos efeitos concorrenciais de movimentações societárias ocorridas nos mercados sob sua supervisão, podendo adotar medidas de ajuste que se façam necessárias à preservação da concorrência”, afirma o BC.

PUBLICIDADE

Fim de obrigações

A alteração societária decorrente da cisão resultou no fim de obrigações entre as partes acertadas com o BC anteriormente.

“Como consequência dessa alteração societária, as obrigações destacadas na Seção VIII do Voto nº 169/2018-BCB, de 8 de agosto de 2018, relativas ao Acordo em Controle de Concentração (ACC) celebrado entre o Banco Central do Brasil, as Compromissárias Itaú Unibanco, compostas pelas empresas controladas direta ou indiretamente pelo conglomerado bancário do Itaú Unibanco, e as Compromissárias XP Investimentos, compostas pelas empresas controladas direta ou indiretamente pela XP Controle Participações S/A, tiveram sua vigência encerrada”, afirma o BC.

Segundo o comunicado, “esse encerramento ocorreu porque o ACC previa que as obrigações nele elencadas, com prazo de vigência de oito a quinze anos, perdurariam enquanto as Compromissárias Itaú Unibanco detivessem, direta ou indiretamente, 15% ou mais do capital social da XP Investimentos S/A (referência que se estende, atualmente, à XP Inc.)”.

“Como a reorganização societária comportou a transferência das ações da XP Inc. pertencentes ao conglomerado bancário para uma empresa do mesmo grupo econômico, mas fora da estrutura desse conglomerado, verificou-se, portanto, a extinção do ACC”, concluiu o BC.

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE