Estilo de vida

Para onde posso voar? Variante delta estoura bolhas aéreas na Ásia

Pontos estratégicos para viajantes são novamente afetados

Variante delta impacta viagens à Ásia
Por Kyunghee Park e Siddharth Philip
26 de Julho, 2021 | 08:04 am
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — Novos lockdowns e restrições na Ásia causados pela variante delta da Covid-19, com disseminação mais rápida, fazem com que a corrida atrás de bolhas de viagens na região pareça um esforço cada vez mais infrutífero.

As chamadas “bolhas aéreas”, corredores que permitem a livre passagem entre países sem a necessidade de quarentena, têm decepcionado no geral, com nações novamente se fechando para conter novos surtos. Uma conexão entre Singapura e Hong Kong, discutida pela primeira vez no ano passado, nunca foi realmente iniciada. Enquanto isso, negociações entre Austrália e Singapura ainda estão em andamento, e um acordo entre Austrália e Nova Zelândia segue em aberto, na melhor das hipóteses.

O histórico irregular ressalta como será difícil para a Ásia retornar ao normal, com algumas economias agarradas a uma estratégia Covid-zero ou um desejo de erradicar o vírus a todo custo. A dependência dos governos de controles estritos de movimento para combater ondas de infecção - Melbourne abriu a semana passada em seu quinto lockdown, enquanto Tóquio está em estado de emergência com o amanhecer das Olimpíadas - está em contraste com a abordagem na Europa e nos EUA, onde a variante delta está propagação, mas onde as taxas mais altas de vacinação significam que as viagens estão começando a se recuperar.

“As viagens inter-regionais são muito importantes na Ásia-Pacífico e todos estão observando uns aos outros no momento”, disse Gary Bowerman, diretor da empresa de pesquisa de viagens e turismo Check-in Asia. “Geralmente, parece haver baixos níveis de confiança, taxas muito diferentes de vacinação, taxas muito diferentes de contingência da Covid-19.”

PUBLICIDADE

Isso, por sua vez, torna o planejamento futuro extremamente difícil para as companhias aéreas da Ásia, disse ele. “Os regulamentos do governo, as regras, as questões de fronteira - eles mudam o tempo todo.”

Impacto da vacinação

A correlação entre maiores taxas de inoculação e viagens ao exterior já começa a aparecer nos dados. A capacidade internacional continua fraca em países onde as taxas de vacinação são baixas, como Vietnã e Indonésia, de acordo com a empresa de rastreamento de voos OAG.

Com várias nações da Ásia incapazes de garantir o suprimento de vacina suficiente, a contenção por meio de restrições rígidas se tornou a resposta padrão de muitos governos. Uma pesquisa feita na semana passada pelo OAG descobriu que cerca de metade dos entrevistados acha que uma recuperação de viagens na Ásia só acontecerá em julho de 2022, apóis outro ano completo.

“Pessoalmente, acho isso beira o otimismo”, afirmou John Grant, analista-chefe da OAG. “A Ásia é uma preocupação real. O verão de 2023 é uma avaliação mais realista.”

PUBLICIDADE

O que há de novo nas viagens aéreas

Globalmente, o quadro continua melhorando. Com as escolas na Europa, as Olimpíadas no Japão (embora sem espectadores) e a Indonésia se recuperando gradualmente de seu último pico de Covid, a capacidade da aviação subiu 2,3 pontos percentuais na semana passada. Ele está em torno de 70% dos níveis de 2019, de acordo com o rastreador de voo semanal da Bloomberg, que usa dados do OAG para monitorar o pulso de retorno.

O tráfego dos EUA atingiu um recorde da era pandêmica em 18 de julho, com 2,23 milhões de viajantes passando pelos pontos de verificação da agência de segurança de transportes dos EUA, TSA, mesmo enquanto o país lutava contra seu próprio aumento na variante delta.

Os estados da União Europeia têm visto uma aceleração constante desde o mês passado e, até agora, conseguiram manter as conexões de viagem abertas dentro do bloco. As visitas internacionais também estão aumentando, com o número de viajantes dos EUA para a Grécia, Espanha e Itália triplicando nos últimos dois meses.

O Reino Unido deveria se juntar à recuperação em 19 de julho, o chamado Dia da Liberdade do país, quando a maioria das restrições internas foi suspensa e os viajantes britânicos totalmente vacinados que retornavam de países de risco médio - incluindo a maioria da UE - não precisavam mais entrar em quarentena . Mas um surpreendente reaperto das regras aplicadas aos que voltavam da França estragou a reabertura.

Posteriormente, os EUA aumentaram suas restrições para viagens ao Reino Unido, alegando que um aumento no número de casos coloca em risco até mesmo americanos totalmente vacinados. Isso acabou com as esperanças levantadas pelo presidente Joe Biden de que os EUA poderiam em breve suspender a proibição de viagens para a maioria dos países europeus.

Qual picada?

Outro obstáculo potencial para a recuperação na Ásia-Pacífico são as restrições que os países colocarão aos visitantes com base na vacina que receberam.

PUBLICIDADE

Essas questões representam desafios para o planejamento futuro de companhias aéreas, segundo Bryan Foong, diretor de estratégia da Malaysia Airlines. “Precisamos de uma estrutura consistente em todo o mundo” para tornar a viagem o mais conveniente possível, afirmou em um webinar da CAPA Live na última semana.

Tony Fernandes, presidente do AirAsia Group Bhd, foi mais direto, rotulando a Austrália de um “reino eremita” e dizendo que será um tanto doloroso para os viajantes europeus e americanos virem para a Ásia.

“Pode-se dizer que a Austrália se administrou muito bem do ponto de vista da saúde, mas ninguém quer tomar uma vacina na Austrália porque não há casos. Não há incentivo para fazer um. E agora há uma reação exagerada “, afirmou Fernandes em referência ao lockdown mais recente do país que envolveu Sydney, Darwin, Perth, Melbourne e agora outras partes de New South Wales.

Reações automáticas, lockdowns repentinos e surtos de casos são frustrantes para os políticos, e também para a população. O ministro das Finanças de Singapura, Lawrence Wong, disse em um post no Facebook que, como muitos outros, ele se sentiu desapontado e frustrado com os casos recentes do Covid-19 em salas de karaokê. Mais recentemente, esse surto se espalhou para um mercado de peixe no atacado e centros de alimentação locais, levando Singapura a reforçar medidas mais rígidas para coisas como jantares, reuniões e ginásios na quinta-feira. Enquanto isso, muitos estrangeiros na Ásia estão voltando para casa.

PUBLICIDADE

“É um padrão de fechamento duradouro e que parece não ter fim”, disse Bowerman.

Leia mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE