Eleição põe em risco a venda de R$ 60 bilhões em ações do BNDES

Destino do valor restante no portfólio de empresas listadas depende do desfecho nas urnas, já que Lula pode reverter o plano do governo atual

Presidente do BNDES, Gustavo Montezano, supervisionou vendas de cerca de R$ 93 bilhões em ativos, incluindo participações na Vale, JBS e na Klabin
Por Vinícius Andrade e Martha Beck
20 de Outubro, 2022 | 11:58 AM

Leia esta notícia em

Inglês

Bloomberg — Uma mudança profunda ocorrida na política econômica brasileira corre o risco de ser revertida dependendo do desfecho da eleição presidencial.

O governo do presidente Jair Bolsonaro comandou um encolhimento dramático no balanço de um dos maiores bancos públicos do mundo, o BNDES, reduzindo suas participações em ações, debêntures e fundos de investimento em mais de 56% desde 2019.

Mas o destino de cerca de R$ 60 bilhões restantes no portfólio de empresas listadas - e o tamanho do banco como credor corporativo nos próximos anos - provavelmente dependerá do desfecho das urnas: se Bolsonaro vence e mantém sua estratégia de desinvestimentos ou se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva retorna ao poder e reverte o plano.

Os eleitores farão sua escolha em 30 de outubro, com questões importantes sobre o papel do Estado na economia em jogo. O encolhimento do BNDES era um princípio central do atual governo e uma reversão da política anterior conduzida por Lula e seus aliados, que buscavam usar o banco para fortalecer os negócios no Brasil e criar campeões nacionais em indústrias como as de proteína, petróleo e celulose.

PUBLICIDADE

“Há pouca visibilidade sobre como será o BNDES nos próximos anos”, disse Felipe Thut, que comanda o Bradesco BBI. “Ainda há algumas participações bastante relevantes na carteira, embora a maior parte já tenha sido vendida.”

Pesquisas mais recentes mostram que Bolsonaro está reduzindo a liderança de Lula antes do segundo turno. O ex-presidente viu sua vantagem sobre Bolsonaro diminuir para 5,6 pontos percentuais na pesquisa da Quaest publicada em 19 de outubro, de quase 8 pontos há duas semanas. A pesquisa do Ipespe divulgada no dia anterior mostrou os candidatos empatados tecnicamente.

Se Lula vencer, o BNDES provavelmente freará o movimento de venda de ativos, segundo Guilherme Mello, um dos economistas que assessoram o ex-presidente. O governo não necessariamente interromperia todas as vendas, mas examinaria mais de perto as participações do banco e consideraria o que poderia valer a pena manter, disse Mello. O banco ainda detém participações em empresas como Petrobras e Tupy.

PUBLICIDADE

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, supervisionou vendas de cerca de R$ 93 bilhões em ativos, incluindo participações na mineradora Vale (VALE3), no frigorífico JBS (JBSS3) e na fabricante de papel Klabin (KLBN3). O banco também vendeu ações ordinárias da Petrobras (PETR3) pouco antes do crash do petróleo em 2020 e foi o vendedor por trás do maior “block trade” já ocorrido no Brasil, aproveitando o aumento do apetite pela Vale no mesmo ano.

As vendas ajudaram a impulsionar as receitas para banqueiros de investimento, que ajudaram a coordenar negócios como a privatização da Eletrobras (ELET3), na segunda maior oferta de ações do mundo neste ano. O BNDES também reduziu drasticamente os empréstimos durante o governo Bolsonaro. Isso deixou espaço para os investidores privados preencherem o vazio, ajudando a fortalecer o mercado local de dívida corporativa.

Embora o BNDES não tenha sido frequentemente mencionado nos discursos de Bolsonaro antes do segundo turno, os investidores esperam continuidade caso ele permaneça no cargo – especialmente depois que o presidente sinalizou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, permanecerá no cargo se ele for reeleito.

Após os dois mandatos de Lula, a carteira de empréstimos do BNDES saltou para US$ 200 bilhões durante o governo de sua sucessora Dilma Rousseff, superando a do Banco Mundial. Grande parte do financiamento apoiou companhias como Petrobras e JBS à medida que essas empresas embarcavam em ambiciosas aquisições e expansões globais.

Lula vem dizendo que, se eleito, o BNDES focaria em oferecer mais crédito subsidiado para empresas menores.

Se Lula vencer, “esperamos um BNDES mais ativista na originação de crédito”, disse Alberto Ramos, economista-chefe para América Latina do Goldman Sachs. “Mas provavelmente não na medida em que vimos no passado e provavelmente mais focado em empresas de médio porte do que nas grandes campeãs nacionais.”

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Bancos abrem a carteira para financiamentos corporativos após fuga de investidores