PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Queda de ações se aprofunda com Nasdaq 100 em queda de 3%

Enquanto isso, os títulos do Tesouro avançavam, fazendo com que o rendimento do Tesouro de 10 anos caísse 6 pontos base

Nasdaq
Por Stephen Kirkland e Vildana Hajric
18 de Maio, 2022 | 01:07 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — As ações americanas ampliavam as perdas à medida que os investidores avaliam as perspectivas de crescimento com o aperto da política monetária e o impacto sobre os lucros de preços mais altos. O dólar e os títulos do Tesouro subiam com uma maior busca por ativos mais seguros.

Todos os 11 principais grupos da indústria no S&P 500 caíam, com as ações de consumo liderando o recuo. O Nasdaq 100 recuava 3%, com as megacaps Apple (AAPL), Microsoft (MSFT) e Amazon.com (AMZN) caindo mais de 3%. A Target (TGT) recuava mais de 20% depois de reduzir sua previsão de lucro devido a um aumento nos custos. As ações de varejistas do Walmart (WMT) à Macy’s (M) também caíam.

Enquanto isso, os títulos do Tesouro avançavam, fazendo com que o rendimento do Tesouro de 10 anos caísse 6 pontos base. O dólar subia contra todas as suas contrapartes do Grupo dos 10, exceto o iene e o franco suíço.

O índice de referência S&P 500 está emergindo da maior queda semanal desde 2011, mas a recuperação do sentimento de risco se mostra frágil em meio ao aperto nas configurações monetárias, à guerra da Rússia na Ucrânia e aos lockdowns de covid na China.

PUBLICIDADE

Em algumas de suas observações mais agressivas até o momento, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse nesta terça-feira (17) que o banco central dos EUA aumentará as taxas de juros até que haja evidências “claras e convincentes” de que a inflação está recuando. O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, disse na quarta que vê um aumento de meio ponto na reunião do próximo mês e “provavelmente depois”.

Na Europa, as vendas de veículos novos encolheram pelo 10º mês consecutivo, enquanto o setor continua atolado em crises na cadeia de suprimentos, com a inflação da zona do euro atingindo um recorde. Enquanto isso, a inflação no Reino Unido atingiu seu nível mais alto desde que Margaret Thatcher foi primeira-ministra há 40 anos, aumentando a pressão por ação do governo e do banco central.

Em outros lugares, o governo Biden está prestes a bloquear totalmente a capacidade da Rússia de pagar aos detentores de títulos dos EUA após o prazo expirar na próxima semana, uma medida que pode aproximar Moscou de um calote. Enquanto isso, o Sri Lanka está prestes a renegar US$ 12,6 bilhões em títulos estrangeiros, um sinal de alerta para investidores de outras nações em desenvolvimento de que o aumento da inflação deve ter um preço doloroso.

Confira as principais movimentações do mercado nesta quarta:

Ações

  • O S&P 500 caía 2,6% às 12h24, horário de Brasília
  • O Nasdaq 100 recuava 3%
  • O Dow Jones Industrial Average caía 2,3%
  • O Stoxx Europe 600 tinha queda de 1,1%
  • O índice MSCI World recuava 1,7%

Moedas

  • O Bloomberg Dollar Spot Index subia 0,2%
  • O euro recuava 0,5%, para US$ 1,0494
  • A libra britânica caía 0,7%, para US$ 1,2400
  • O iene japonês subia 0,8% para 128,33 por dólar

Títulos

  • O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos caía sete pontos base para 2,92%
  • O rendimento de 10 anos da Alemanha recuava três pontos base para 1,02%
  • O rendimento de 10 anos do Reino Unido caía dois pontos base para 1,86%

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate caía 1,8%, para US$ 110,36 o barril
  • Futuros de ouro recuavam 0,3%, para US$ 1.813,90 a onça

--Com a colaboração de Michael Msika, Andreea Papuc, Robert Brand e Isabelle Lee