Mercados

Bolsas de NY reduzem ritmo de alta após petróleo passar de US$ 100

Principal índice de preços ao consumidor americano chegou a 0,3%, o ritmo mais lento desde setembro do ano passado

NY tem recuperação após núcleo de inflação menor que esperado nos EUA
Por Abigail Moses
12 de Abril, 2022 | 02:54 pm
Tempo de leitura: 2 minutos
Últimascotações

Bloomberg — Os mercados de ações dos EUA reduziram os ganhos após o petróleo ultrapassar os US$ 100 o barril, movimento que reacendeu as preocupações com a inflação, ofuscando a especulação de que as pressões sobre os preços podem estar perto de um pico.

O S&P 500 (SPX) reduziu o avanço em mais da metade com a queda das ações dos bancos antes do início da temporada de resultados do setor na quarta-feira. A maioria dos principais grupos no indicador de referência ainda subiu, liderada por ganhos em papéis ligados a commodities e varejo.

Os rendimentos dos Treasuries de 10 anos (GT10) caíram depois de atingirem o nível mais alto desde dezembro de 2018. O petróleo se recuperou após a flexibilização parcial das restrições sanitárias em Xangai trazer algum otimismo sobre a demanda.

O CPI (Índice de preços ao consumidor dos EUA) subiu em março pela maior nível desde o final de 1981, reforçando as expectativas de que o Federal Reserve aumentará as taxas de juros em meio ponto no próximo mês. Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, os chamados núcleos de preços aumentaram 0,3% em relação ao mês anterior e 6,5% em relação ao ano anterior, ambos abaixo do projetado e devido em grande parte à maior queda nos preços de veículos usados desde 1969.

PUBLICIDADE

Um indicador do dólar interrompeu sua maior sequência de ganhos desde 2020. O euro pouco mudou.

Os papéis do Deutsche Bank AG (DB) e o Commerzbank AG caíram depois que a empresa de investimentos norte-americana Capital Group vendeu suas participações em dois dos maiores bancos da Alemanha.

As ações russas caíram pelo terceiro dia, enquanto as da Dubai Electricity & Water Authority saltaram em sua estreia comercial depois de levantar US$ 6,1 bilhões na segunda maior oferta pública inicial do mundo este ano.

Os números do CPI de terça-feira estão oferecendo algum conforto aos mercados, mas espera-se que os temores sobre as pressões de preços permaneçam elevados. A guerra na Ucrânia está interrompendo os fluxos de commodities essenciais, e os lockdowns da China estão sobrecarregando as cadeias de suprimentos.

PUBLICIDADE

“O que enfrentamos este ano é a estagflação”, disse Kathryn Rooney Vera, chefe de pesquisa macro global da Bulltick LLC, à Bloomberg Television. “É um ambiente muito complicado em que o Fed se encontra” e o mercado está precificando potencialmente 50 pontos-base de aumentos em cada uma das próximas duas reuniões de política, acrescentou.

A guerra da Rússia na Ucrânia retardará a recuperação da economia mundial da pandemia, reduzirá o comércio de mercadorias e potencialmente levará a uma fragmentação mais ampla do comércio global, disse a Organização Mundial do Comércio. O otimismo com o crescimento global atingiu o nível mais baixo de todos os tempos, com os temores de recessão aumentando na comunidade de investimentos do mundo, de acordo com a última pesquisa de gestores de fundos do Bank of America Corp (BAC).

Um dos cenários mais perigosos para os mercados “é que temos que aumentar as taxas em um ritmo tal que reprima o crescimento”, disse Kathryn Kaminski, estrategista-chefe de pesquisa do AlphaSimplex Group, à Bloomberg Television. “Esse é o cenário com o qual a maioria das pessoas está preocupada.”

Enquanto isso, o Sri Lanka alertou para um calote sem precedentes e suspendeu os pagamentos da dívida externa, uma medida extraordinária tomada para preservar suas reservas cada vez menores de dólares para importações de alimentos e combustíveis essenciais.

Eventos para acompanhar esta semana:

  • Resultados corporativos: A temporada começa incluindo relatórios do Citigroup (C), JPMorgan Chase (JPM), Goldman Sachs (GS), Morgan Stanley (MS), Taiwan Semiconductor Manufacturing, Wells Fargo (WFC);
  • Relatório mensal do mercado de petróleo da OPEP, terça-feira;
  • A governadora do Fed, Lael Brainard, e o presidente do Fed de Richmond, Thomas Barkin, devem falar na terça-feira;
  • Decisão da taxa do Banco do Canadá, terça-feira;
  • Relatório de estoque de petróleo bruto da EIA, quarta-feira;
  • Decisão da taxa do Reserve Bank of New Zealand, quarta-feira;
  • China: Comércio, linhas de crédito de médio prazo, quarta-feira;
  • Decisão da taxa do BCE, quinta-feira;
  • Decisão política monetária do Banco da Coreia, quinta-feira;
  • EUA: vendas no varejo, pedidos iniciais de seguro-desemprego, estoques de negócios, sentimento do consumidor da Universidade de Michigan, quinta-feira;
  • A presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, e o presidente do Fed da Filadélfia, Patrick Harker, devem falar na quinta-feira;
  • EUA: mercados de ações e títulos fechados para a Sexta-feira Santa.

Alguns dos principais movimentos nos mercados:

PUBLICIDADE

Ações

  • O índice S&P 500 (SPX) tinha alta de 0,4% às 13h50 em NY (14h50 em Brasília);
  • O Nasdaq 100 (NDX) subia 0,2%;
  • O índice Dow Jones Industrial Average (INDU) subia 0,1%;
  • O MSCI World subia 0,1%;

Moedas

  • O Bloomberg Dollar Spot Index (DXY) operava estável;
  • O iene japonês (JPY) subia 0,2% a 125,07;
  • O euro (EUR) subia 0,1% a US$ 1,0875;

Renda fixa

  • O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos recuava 10 pontos básicos para 2,68%;
  • O rendimento de 10 anos da Alemanha caía três pontos base para 0,79%;
  • O rendimento de 10 anos do Reino caía quatro pontos base para 1,80%;

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) subia 6,7% para US$ 100,61 o barril;
  • O ouro subiu 1,5% para US$ 1.977,20 onça.

(atualizado às 14h53 com cotações mais recentes)

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também