Internacional

Ações chinesas nos EUA disparam após promessa de apoio do Estado

A China prometeu continuar as relações comerciais com a Rússia normalmente, apesar de um enorme êxodo de empresas europeias e americanas

Alibaba
Por Farah Elbahrawy
16 de Março, 2022 | 08:34 am
Tempo de leitura: 2 minutos
Últimascotações

Bloomberg — As ações chinesas listadas nas bolsas dos EUA dispararam, se recuperando de uma forte liquidação, depois que a China prometeu manter seu mercado acionário estável e apoiar as listagens no exterior.

Alibaba (BABA) e JD.com (JD) subiam cerca de 20% nas negociações de pré-mercado nos EUA, enquanto a Didi (DIDI) saltava mais de 40%. Os futuros americanos acompanhm uma alta nas ações asiáticas após o anúncio da China, com o Hang Seng Tech Index subindo 22%, a maior alta já registrada.

A China também disse que está mantendo um bom diálogo com os reguladores dos EUA sobre os ADRs, informou a agência de notícias oficial Xinhua nesta quarta-feira (16), citando uma reunião do comitê de estabilidade financeira e desenvolvimento do Conselho de Estado. Somando-se ao sentimento positivo sobre a região, um relatório da mesma agência de notícias apontou que a China não expandirá o julgamento de impostos sobre propriedades este ano.

As ações da operadora de plataforma de transmissão ao vivo Bilibili, que disse hoje que planeja buscar a conversão para uma listagem primária dupla na Bolsa de Valores de Hong Kong, subiram 33%. Os fundos negociados em bolsa vinculados à China também dispararam, com o KraneShares CSI China Internet Fund ganhando 20% e o ETF Invesco China Technology subindo 18%.

PUBLICIDADE

“Vemos alguns fundos de posição longa começando a procurar pechinchas, e difere muito as empresas que podem fazer uma listagem dupla daquelas que não podem”, disse Sean Darby, estrategista-chefe de ações globais da Jefferies. “Os investidores querem empresas que tenham fluxos de caixa livres positivos.”

As ações chinesas nos EUA viram uma fraqueza renovada na semana passada, depois que a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA identificou cinco empresas chinesas que poderiam estar sujeitas a fechamento de capital, aumentando uma lista crescente de preocupações regulatórias. A perspectiva de sanções para a China em meio ao relacionamento de Pequim com a Rússia e um lockdown no centro de tecnologia Shenzhen também pesaram no sentimento.

Os investidores ficaram divididos sobre o destino das ações chinesas após a queda. Enquanto analistas do JPMorgan (JPM) disseram que alguns nomes chineses da Internet se tornaram “ininvestíveis” no curto prazo, outros alegaram que a venda foi exagerada.

“Houve muitas mensagens encorajadoras, mas os mercados estarão buscando ações como cortes nas taxas, mais gastos fiscais e flexibilização das regulamentações, caso contrário a pressão de venda pode ser retomada”, Mitul Kotecha, estrategista-chefe da Ásia e Europa emergentes da TD. Títulos, disse.

PUBLICIDADE

“Temos uma base sólida para uma recuperação em forma de U, apoiada pela mudança de política e avaliações”, disse ele. “Para a próxima etapa, precisamos ver os formuladores de políticas seguirem com as medidas de flexibilização e apoiar o crescimento daqui para frente.”

Separadamente, a Reuters informou hoje que o Alibaba e a Tencent estão se preparando para cortar dezenas de milhares de empregos combinados em 2022 em meio à repressão regulatória da China.

--Com a colaboração de Sam Potter e John Cheng

Leia também

Aluguel tem maior alta em fevereiro desde 2011; veja cidades mais caras